Do jeito que você está acordes

Vejo o seu travesseiro, o seu corpo inteiro Sobre nossa cama Fecho os olhos imagino Você ali sorrindo dizendo que me ama Nesse instante eu percebo Tudo foi loucura, tudo foi miragem. E me pego ali sozinho, sempre sonhando Com a sua imagem E me pego ali sozinho, sempre sonhando Com a sua imagem. Tudo está e vai ficar Do jeito que você deixou Ninguém vai mudar, eu acredito As coisas desse ... tom: G C/G D9 Você tenta mudar o mundo C/G D9 E o mundo quer mudar você C/G D9 É um jogo de interesses C/G D9 Onde você não pode ser... (refrão) Bb9 C/G Todo mundo está sujeito, Bb9 C/G um dia, errar.Bb9 C/G Mas vamos atrás do erro Bb9 C/G Não importa o que vai dá C/G D9 Você já está cansado C/G D9 De alguém mandar e desmandar C/G D9 E você ainda prefere C/G D9 Ficar do jeito ... Acordes, Letra y Tablatura de la canción Coração Machucado de Chicabana. ¿Cómo tocar Coração Machucado en la guitarra?. Aprende esta canción y muchas mas en acordesweb. C7+ (a tríade e mais o 7º grau do jeito que está na escala) C7 (ou 7-, mostra que significa a tríade mais o 7º grau um semitom abaixo) Cm7 (ou Cm7-: a tríade mais o 7º grau, porém o 7º e o 3º graus um semitom abaixo) C6 (a tríade mais o 6º grau do jeito que é na escala) C5+ (a tríade com o 5º grau um semitom acima) dm vejo o seu travesseiro gm o seu corpo inteiro sobre nossa cama a7 fecho os olhos imagino dm a7 voce ali sorrindo dizendo que me ama dm nesse instante eu percebo d7 tudo foi loucura gm tudo foi miragem dm e me pego ali sozinho a7 dm d7 sempre sonhando com a sua imagem gm dm e me pego ali sozinho a7 dm a7 sempre sonhando com a sua imagem dm tudo estÁ e vai ficar gm do jeito que voce deixou ... Aprende a tocar el cifrado de Do Jeito Que Você Deixou (Gilliard) en Cifra Club. Vejo o seu travesseiro, o seu corpo inteiro / Sobre nossa cama / Fecho os olhos imagino / Você ali sorrindo dizendo que me ama / Nesse instante eu percebo / Tudo foi tom: G [Intro] Dm Gm Bb C Dm Dm Gm Vejo o seu travesseiro,o seu corpo inteiro Sobre nossa cama A7 Fecho os olhos imagino Dm Você ali sorrindo dizendo que me ama Nesse instante eu percebo D7 Gm Tudo foi loucura, tudo foi miragem Gm Dm A7 Dm D7 E me pego ali sozinho, sempre sonhando com a sua imagem Gm Dm A7 Dm A7 E me pego ali sozinho, sempre sonhando com a sua imagem Dm Gm Tudo está e vai ... Já está terminando o Perfil E7 G O Intercine que acabou agora Em7 A7 Com certeza você também viu D7+ A verdade é que você está do mesmo jeito F#7/5+ Que está sofrendo tanto quanto eu Bm7 E7 Am7 Teimosia é um defeito comum D7 Ao teu coração e ao meu G7+ Gm7 E pra essa dor o único remédio F#m7 B7 Seria um de nós pro outro ligar Em7 G Depois que você encontrar a nota fundamental do seu acorde, você deve achar agora a terça maior. Para achar a terça maior e formar os acordes no teclado que quiser, basta caminhar 4 notas para ...

Vicente e Bartolomeu

2019.09.26 16:59 Mukatsu Vicente e Bartolomeu

Este é o primeiro post que faço aqui. Eu descobri que gosto muito de escrever, porém, tenho medo, nunca entrei neste mundo antes, esse é o primeiro conto que criei, poderiam dar dicas sobre como melhorar? Podem criticar mesmo, se tem erros gramaticais, coisas fora do comum, problemas com a narrativa e etc.

Vicente e Bartolomeu
Em um reino muito distante, uma bruxa aterrorizava a todos. A bruxa aparecia de tempos em tempos para matar e zombar do povo, também havia em mente tomar todo o reino para ela.
O rei não gostava nada da situação em que seu reino estava, ele sabia que alguma medida deveria ser tomada, porém, a bruxa era poderosa e cruel, todos estavam amedrontados, mas ele sabia que podia contar com seus dois únicos filhos, Bartolomeu, o filho mais velho e Vicente.
Bartolomeu vai ao encontro do seu pai e ambos dialogam sobre as medidas a serem tomadas para o reino:
- Meu filho, chame seu irmão e, juntos, combatam a bruxa asquerosa que vive na remota floresta.
- Meu pai, estou de acordo, acharei meu irmão e iremos juntos nesta missão, traremos honra e glória ao reino!
Bartolomeu fora ao encontro de Vicente. Vicente estava dormindo perto de um riacho, e, como de costume, falava sozinho enquanto dormia.
-Acorde, irmão, acorde! Nosso pai nos manda em uma missão!
Vicente acorda e pergunta o que está havendo. Bartolomeu conta ao irmão sobre a missão dada do pai deles:
-Irmão! Nosso pai deu-nos a missão de dar cabo à bruxa! Esta não para de tentar acabar com nosso povo e com todo o reino!
- Oras, nosso pai tem um exército em suas mãos, que mande ele soldados até a casa da bruxa.
- O reino está totalmente aterrorizado, irmão. É necessário que cumpramos nosso dever para com nosso pai e levemos honra ao reino.
Vicente fora esperto, tinha a intenção de se tornar o novo rei, porém, não o podia ser pois, com a morte ou velhice do pai, quem seria rei era o irmão mais velho. Pensou que, se de algum modo Bartolomeu morresse na missão e ele conseguisse fugir, talvez conseguisse cumprir seu objetivo. Vicente disse:
- Olhe, se é pelo bem de nosso pai e pelo bem de todo o reino, iremos e daremos cabo da bruxa!
-Obrigado, irmão! Porém, tem certeza disto? É isso mesmo o que quer? Bartolomeu perguntou seriamente.
- Tenho sim!
Bartolomeu havia levado suprimentos e armas, seriam dois dias de viagem até a casa da bruxa e eles tinham de estar preparados. Saíram dali e caminharam durante um dia e uma noite, conversavam sobre como agir na presença da bruxa e que a melhor opção era pega-la desprevenida. Vicente ouvia todos os conselhos e parecia concordar com tudo (porém, ele havia outros planos em mente). Ambos comeram, beberam e puseram-se a dormir.
No meio da noite, como de costume, Bartolomeu tinha de acordar o irmão, pois Vicente e sua mania de falar enquanto dormia era de incomodar qualquer um.
Na manhã seguinte, os dois revisaram todos os planos e logo voltaram a caminhar. Bartolomeu perguntou ao irmão:
- Se quiser desistir, pode voltar atrás, sabe disto, certo?
- O quê!? Não diga isto, irmão, não podemos recuar agora, estamos tão perto...
- Então, sigamos em frente.
O sol estava se pondo, já podiam ver a casa da bruxa no meio de uma floresta cheia de árvores ressecadas e podres. Esconderam-se atrás de uma grande pedra e, mais uma vez, conversavam sobre seus planos para acabar com a bruxa:
- Então, assim que ela cair no sono, a matamos.
- Certo!
- Querido irmão, vou perguntar pela última vez, tem certeza de que é isto que quer?
- Oras, Bartolomeu! Desde o início já colocara em minha cabeça de que isto é necessário, pelo bem de nosso pai e do reino, sim, tenho certeza de que é isto que quero!
Bartolomeu não respondeu mais nada, parecia estar concentrado na missão.
A noite havia chegado, porém, luzes vindas de velas dentro de crânios estavam acesas em volta da casa, demonstrando que a bruxa ainda estava acordada. Bartolomeu e Vicente apenas esperavam tudo escurecer para seguir com a missão.
Passada algumas horas, viam uma sombra de uma pessoa andar aos arredores da casa, seria a bruxa? A pessoa apagou todas a velas, então, esta seria a melhor hora para agir. Esperaram mais um pouco e, quando tudo parecia ser um silêncio total, deram voltas na casa da bruxa e procuraram por brechas, havia uma janela quebrada da qual podiam entrar.
-Irmão! Disse Vicente enquanto cutucava Bartolomeu.
- O que foi, irmão?
- Entrarei primeiro, sabes que sou mais esguio e furtivo que você, voltarei e darei informação de como está lá dentro!
- Certo, tome cuidado.
- Não se preocupe!
Passados alguns minutos, Vicente volta e diz que a bruxa estava a dormir tranquilamente e que aquela seria a melhor hora para agir.
- Bom trabalho, irmão! Disse Bartolomeu.
Ambos entraram na casa da bruxa e Vicente logo mostrou o caminho para o quarto dela. Chegando lá, a velha bruxa era horripilante, parecia uma mistura de animal selvagem com ser humano.
- Não perca tempo, acabe com ela. Cochichou Vicente.
- Não se preocupe, irmão.
Bartolomeu tirou sua espada da bainha e deu um golpe certeiro na bruxa. E, finalmente, após ter decapitado a terrível bruxa, Bartolomeu e seu irmão completam a missão da qual seu pai lhes havia designado. Porém, ao virar-se, uma adaga acerta as costas de Bartolomeu. Era Vicente, seu próprio irmão. Havia apunhalado Bartolomeu pelas costas.
- Desculpe, irmão. Jamais poderei aceitar você como o sucessor do trono, EU que sou digno! Não você!
- I-I-Irmão... vou.… perguntar... pela... última... vez...
- Perguntar? O quê?
- Você... tem certeza... que é isto... o que quer...?
Vicente estava confuso, achava que as perguntas eram sobre a missão que seu pai havia lhes dado, porém, eram sobre ele querer desistir de tentar assassinar seu irmão. Bartolomeu sabia dos planos de Vicente.
- Sim! É o que eu quero!
- Sendo... assim... nenhum de nós... irá... ter o.… trono...
Dando um último suspiro, Bartolomeu morre. Vicente havia conseguido o que queria, assassinar seu irmão da qual ele achava que lhe impediria de conseguir o trono. Agora, tudo o que Vicente queria, era, de algum modo, assassinar seu próprio pai, ou, pelo menos, agilizar sua morte. Pensou:
- Colocarei veneno na comida de meu pai e colocarei a culpa nos serventes.
Vicente não sentira remorso pelo ato cruel que havia cometido. Se sentindo confiante, foi em direção à porta para ir embora. Porém, dado apenas três passos, começou a sentir muita dor e logo ficou pálido e gélido.
- O que está havendo? Me sinto fraco... Vou.… morrer?
Bartolomeu sabia o que seu irmão tramava, pois o ouvia comentar sobre seus planos enquanto dormia. Na noite anterior, Bartolomeu havia colocado veneno em uma bebida para seu irmão. Bartolomeu quis realmente acreditar que Vicente desistiria daquela ideia maluca, e, por várias vezes, perguntou ao irmão se ele queria desistir do que planejava, meio como implorando para que ele mudasse. Caso o irmão se arrependesse, Bartolomeu falaria do veneno e faria o irmão vomitar, porém, agora, nem Bartolomeu e nem Vicente teriam o trono.
- Isso... foi você!? Como pôde!?
Vicente não consegue mais falar, cai e logo morre.
Um barulho é ouvido, parecia ser de uma porta se abrindo, quem poderia ser?
- Irmã. Trouxe mais uma poção mágica para nós duas.
Uma outra bruxa entrara na casa. Acendendo as velas, percebeu o que havia acontecido ali e gritou:
- COMO PUDERAM FAZER ISTO COM MINHA IRMÃ!? MALDITOS!
Esta bruxa parecia furiosa, era tão horrenda quanto sua irmã.
- Malditos filhos do rei! Porém, agora, vocês estão destinados a se tornarem nossa peça principal para destruir aquele ninho de ratos!
A bruxa, completamente irada, começa a vasculhar pelos armários da cozinha por algumas poções, acaba encontrando um frasco transparente com um líquido verde florescente, e, derramando metade do líquido em cima do corpo de Vicente, ela diz:
- Que suas intenções sejam favoráveis a mim! Obedeça-me!
O corpo de Vicente derrete, sobrando apenas ossos. A bruxa diz algumas palavras estranhas, incompreensíveis, momentos depois, Vicente acorda, bem, seu esqueleto, pelo menos...
- Que é isto!? O que fizestes comigo!?
- Seu verme miserável! Você matou minha irmã, porém, tive sorte, um sangue real igual o seu será de grande valia para mim.
- Calada! Olhe o que fez comigo! Traga-me de volta o corpo que me pertencia
- Silêncio!
A bruxa puxa uma varinha de seu vestido preto, aponta para Vicente e ele dobra os joelhos, forçadamente, para a bruxa.
- O-O que é isto!? N-Não pode me controlar assim!
- Rato insolente, seu irmão e você trabalharão juntos e tomarão aquele reino asqueroso para mim!
- O quê!?
- Sinto que você tinha desejo de poder, não se preocupe, o trono será seu. Mas só estará lá para seguir minhas ordens.
- Nunca!
- É o que veremos.
A bruxa olha para o corpo de Bartolomeu e diz que agora seria a vez dele, porém, algo está errado. A bruxa diz:
- Ora, ora, mas o que temos aqui?
A bruxa percebera que Bartolomeu tinha uma doença grave nos ossos, ele logo estaria morto de qualquer jeito.
- Veja aqui, seu verme. Você trabalhará sozinho para mim, seu irmão não me servirá, porém, ainda tens sangue real, serás peça preciosa!
- Me mate! Não servirei você! Apenas me mate!
- Não será tão fácil assim.
A bruxa reveste todo o corpo de Vicente com pele e dá a ele aparência de um ser humano novamente, porém, lhe retirou a fala. Ela controlava Vicente. Mandando agora nele, o envia de volta ao reino para fazer com que ele assassine o rei, seu próprio pai. Sem escolha e sem poder dizer nada, Vicente é apenas a marionete obediente da bruxa.
Chegando ao castelo, a bruxa, que ainda está na casa de sua irmã, fala na mente de Vicente:
- Você assassinará seu próprio pai, isto já será o começo do caos. Não se preocupe, sou uma bruxa misericordiosa, poderá trocar algumas palavras com ele antes de que o inferno caia sobre seu reino.
Os guardas percebem que Vicente estava de volta, eles logo o levam para a sala do rei. Chegando lá, o rei ordena para que fique a sós com seu filho. O rei pergunta onde está Bartolomeu, seu irmão. A bruxa dá a voz para Vicente antes de fazer o que planejava.
- Pai... meu irmão... morreu em missão...
O rei estava sem palavras, chorou, abraçou seu único filho que lhe restava e disse:
- Amava muito Bartolomeu..., porém, já chorei tudo o que havia de chorar, ele tinha uma doença que logo o mandaria para o outro mundo.
Vicente se espanta, não sabia disto.
- P-Pai!? O que está dizendo!?
- Seu irmão tinha uma doença que logo o mataria, ele já havia aceitado seu destino e iria dar a boa e má notícia a você ao concluírem a missão.
Vicente ficou em silêncio. O rei disse:
- Seu irmão contaria que o trono seria seu ao terminar a missão.
Vicente não esboçou reação, não havia demonstrado espanto pela doença do irmão, nem pelo ato que o mesmo haveria de tomar para com ele.
Sacou rapidamente uma adaga e acertou o coração do próprio pai.
- F-filho!? O que é isto!?
- Vivo, morto, meio-termo, não importa, este trono é meu.
Vicente assassinou seu próprio pai e fez parecer que fosse suicídio, deu a desculpa de que o rei não aguentou saber da morte do próprio filho que “mais amava”. Finalmente, o trono era dele. Porém, o filho mais novo do rei não ouvia a voz da bruxa e nem sequer era mais controlado por ela. Vicente estava tão tomado, novamente, pela sua ganância ao poder, pelo egoísmo, que não havia percebido que a bruxa, por algum motivo, não o controlava mais.
Lá longe, na casa da bruxa, novamente, três corpos. Uma bruxa decapitada, o filho mais velho do rei e a irmã da bruxa, que fora assassinada por Bartolomeu. Bartolomeu fingia estar morto e, ouvindo tudo o que acontecia, ao perceber o momento em que seu irmão encontrava-se na presença de seu pai, matou a bruxa antes que ela voltasse a controlá-lo, acreditando que Vicente, depois de tudo, havia se arrependido.
submitted by Mukatsu to escrita [link] [comments]


2019.07.16 02:46 Pac2143 David Lynch Rabbits (PT-BR) (Todas as falas)

David Lynch Rabbits (PT-BR) (Todas as falas)
Eu descobrirei um dia Quando você contará? Houveram ligações? Que horas são? Eu tenho um segredo Não houveram ligações hoje Eu não tenho certeza Uma coincidência Hahah Não se esqueça que hoje é sexta feira Onde estava? Eu ouço alguém Há algo que eu gostaria de lhe dizer Suzie Oh Deve ser mais que sete horas Eu já ouvi essas coisas sendo ditas antes Eu aposto que vocês duas estão imaginando Ainda está chovendo Eu perdi. Agora eu tenho certeza O dia todo Era um homem de terno verde Por quê? Podia ser até mais tarde Eu os buscarei Onde eu estava? Eu só gostaria que eles fossem para algum lugar Eu quase esqueci Você era loira? Suzie? Eu também pude ouvir Quando acontecer, você saberá (Voz que não da pra identificar) - Há algo errado Frio Sirene Escuro Dentes sorridentes Asa em movimento, dedos Fumaça Óleo Calor Espelho Mancha de sangue Olho aberto Escuridão Tudo molhado Menos na cama Espinho Inseto na cama, rastejando Acabou? Alce Uma canção sobre a morte dela, a cama pode ser uma maca, ela pode ter atropelado um alce e batido o carro num dia de chuva - Houve uma ligação para você, mais cedo Não estamos indo para lugar nenhum Quase esqueci Eu soube que foi isso que aconteceu cada vez que eu pensei nisso Você vai contar? É a chuva Eu estava imaginando quando Suzie ia fazer isso Quem era? Deve ser a chuva São onze e quinze, está escuro lá fora Silêncio (Passos) Deixe me dizer Não acho que isso seja a chuva Ele vai trabalhar cada manhã, e então ele volta para casa cada noite Pode ter sido uma coincidência (a mãe senta e os dois abraçam ela) Não aconteceu dessa forma - Sirene distante Um velho pano quente Um cachorro que rasteja (Cantando sem abrir a boca) Oh Oh Há algo errado Há algo errado Oh (Cantando sem abrir a boca) Um cachorro rasteja Luzes se apagam Vento Escuro Dentes sorridentes (Cantando sem abrir a boca) Uma língua inchada O cachorro rasteja A tomada goteja Doença Quente Eletricidade Arame farpado Afiado Rasgando, vermelho E balançando Cachorros molhados (Cantando sem abrir a boca) Pés azuis inchados correndo Rasgando Lixando Negro, sangue velho Saliva amarela Quarto escuro Janela quebrada Lágrima verde Vinil Faca Sangue Queimadura Bulbo Pernas no alto (Cantando sem abrir a boca) Frio Ele pode ter morrido quando atropelou um cachorro e bateu o carro, eletricidade pode ter sido do desfibrilador - Quando você disse isso? Foi a voz de um homem Eu não acho que demorará mais agora Aonde é mesmo que você acha que eu disse? Eu estava falando de outra noite Eu não sei onde o Jack está Eu estava perto do porto depois que aconteceu, Estava chovendo São 20:35 Quem era no telefone? Ainda está chovendo (Jack entra) Sempre foi desse jeito Quando você saiu? Eu sabia desde que tinha sete anos Isso acontece o tempo todo (telefone toca, Jack atende) Não há lua nesta noite Eu disse que parece como se ainda estivesse chovendo Aonde foi exatamente, você se lembra? Está tão tarde? (desliga o telefone) Desde então? E escurecendo - (a mãe entra) (Cantando sem abrir a boca) Um velho pano quente Um cachorro rasteja Oh Oh Há algo errado Oh Um Cachorro rasteja Luzes se apagam Vento Escuro Dentes sorridentes Uma língua inchada Um cachorro rasteja A tomada goteja Doença Quente Eletricidade (Cantando sem abrir a boca) Arame farpado Afiado Rasgando, vermelho E balançando Cachorros molhados Pés azuis inchados correndo Rasgando Lixando Negro, óleo sangue Saliva amarela Quarto escuro Janela quebrada Curativo, algodão velho engordurado Lágrima verde Faca de vinil (Cantando sem abrir a boca) Sangue evaporado Queimadura (Cantando sem abrir a boca) Relevo Acorde Insetos se mexem em suas costas (Cantando sem abrir a boca) Pernas elevadas Goteira no teto Sirene fria e distante Navios distantes Navios distantes (Cantando sem abrir a boca) Asa em movimento Dedos Pele velha (Cantando sem abrir a boca) Fumaça Calor de óleo Espelho Mancha de sangue Olho abre escuridão (na canção toda ela movimenta os braços, como se fosse aquela línguagem que não lembro o nome) - Eu também vi isso Não tenho certeza Eu fui mais cedo, quando era apenas luz Eu preciso lhe contar algo Era vermelho Ele disse algo? Você não podia ter feito algo? Ninguém pode saber disso (a mãe sai) (o pai levanta e abre a porta e sai) Isso aconteceu comigo apenas uma vez Já passou de meia noite (o pai entra) O dia todo Há algo aqui Aconteceu assim, mais cedo Quem poderia saber? (fica escuro e vermelho, a mãe entra com duas luzes e uma voz estranha começa a falar) (fica muito escuro e depois volta ao "normal") Eu também ouvi isso Não se esqueça do que te contei (a porta abre) (um grito e luzes estranhas na escuridão) (a mãe fecha a porta, talvez assustada) E então, lá estava Não, nada Bem, deve estar bem escuro (a mãe se senta e os dois a abraçam) Era o homem do casaco verde Eu imagino quem eu serei
https://preview.redd.it/g6v2t3kjbka31.png?width=652&format=png&auto=webp&s=a06e8602a234a78d899d8835782fc56f0f812cba
submitted by Pac2143 to u/Pac2143 [link] [comments]


2019.07.04 13:24 gabpac A Inescapável Patologia do Homem que via Galinhas

- Deixe-me entender… O senhor diz que está vendo uma galinha? É isso?
- Isso, doutor. Uma galinha.
- Sei… Uma galinha. Uma só. Poderiam ser mais? - O doutor gesticulava usando só os dedos enquanto perguntava. - Talvez duas ou três?
- Não, não é isso, doutor. É que eu vejo uma galinha. Eu só não tenho certeza se é sempre a mesma, ou se cada vez que eu vejo uma galinha, na verdade, trata-se de outra galinha muito parecida. Eu não tenho muita experiência com galináceos, né? Não sei diferenciar uma galinha de outra. O doutor entenda… eu sempre vivi na cidade…
- Sei… O senhor está sendo perseguido por uma ou mais galinhas, uma de cada vez?
- Perseguido? bem, doutor, eu não diria perseguido. Eu vejo a galinha, digo, uma galinha, e ela está ali, cuidando da sua vida, fazendo... Sei lá, fazendo o que galinhas costumam fazer. Mas de forma alguma eu diria que estou sendo perseguido. Ao menos não por galinhas.
- O senhor está vendo uma galinha agora?
- Aqui, no consultório? Não, doutor. Aqui não tem galinha nenhuma. Mas tinha uma lá fora, na entrada do prédio.
- Na entrada do prédio. - O médico repetiu bem devagar, batendo com a caneta na palma da mão. - O senhor compreende que estamos bem no centro da cidade, não?
O rapaz sorriu.
- Doutor, se estivéssemos na zona rural e eu visse uma galinha, não teria procurado um médico, não é?
Doutor Gouveia não pareceu achar muita graça do comentário. Terminou uma anotação, empurrou os óculos mais para cima do nariz, fungou uma ou duas vezes e se aprumou para preencher o prontuário.
- Vamos ver… O senhor se chama Tiago Duarte…
- É Yago, com ipsilone.
- Yago. Yago Duarte, tem trinta e três anos. Profissão?
- Eu sou diretor do departamento de compras.
- Sei… - O doutor ia escrevendo, sem olhar para o paciente. - Casado? Filhos?
- Não. Solteiro. Eh, divorciado. Quer dizer, separado. Sem filhos.
- Ahan… O senhor é saudável de uma maneira geral? Sofre de alguma moléstia crônica?
- Não. Um resfriado, de vez em quando, né? Nada sério.
- Sei… E tem passado por algum estresse? Algum evento traumático?
Yago balançou a cabeça.
- Confusão no trabalho… Mas nada, não.
- Oquei… - o doutor esticou o "O" do oquei enquanto empurrava sua cadeira de rodinhas para trás.
- Então, senhor Yago, me conte porque o senhor me procurou.
- Eu vejo galinhas. - Yago respondeu casualmente. O doutor seguia encarando o paciente. Levantou a sobrancelha e franziu a testa, tentando encorajar o rapaz a continuar falando. - Pois é, doutor. É isso. Eu vejo galinhas.
- Como foi, eh… Como foi que isso começou?
- Foi na terça-feira. Eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi um ruído vindo da sala. Eu moro sozinho, eu não tenho bicho em casa, virei para olhar e ali estava ela, uma galinha, assim, desse tamanho. Era só a cara dela, olhando pela porta com o pescoço esticado, me espiando. Assim que eu me virei para a porta, ela saiu correndo.
- Sei… O senhor viu e também ouviu a galinha?
- Ouvi. Vi e ouvi, sim. Levei um baita susto, né? Porque uma galinha assim, na minha casa… Eu moro no segundo andar, lá na Aristides da Costa. Rua movimentada. Uma galinha? Não faz sentido, né? Eu fui atrás dela, que ela correu para a sala. Eu juro para o senhor. Fiquei meia hora procurando a bicha. Quase perdi a hora. Saí sem tomar café.
- Sei… E foi só isso?
- Não, claro que não. Se fosse só isso, bem, eu ia achar que foi confusão da minha cabeça. Acontece, né? Mas não. Eu segui para o trabalho no carro e daí eu parei no sinal. Assim que o sinal abriu eu vi, ali na esquina, uma galinha. Tava lá, correndo de um lado para o outro da rua transversal, que nem na piada.
- Que piada?
- Aquela: por que é que a galinha cruzou a rua?
- Ah. Claro, claro. A piada. Sei.
Ficaram os dois em silêncio. Yago, como se pensando na piada, e o doutor Gouveia esperando ele continuar a história.
- E depois? - O doutor incentivou.
- Depois o que?
- Depois da galinha que o senhor viu no sinaleiro...
- Ah! É. A galinha que cruzou a rua. Fiquei olhando, mas a galinha sumiu. Quis perguntar para o carro do lado se ele também tinha visto. Quer dizer, para o motorista do carro ao lado, que eu não converso com carro… Não sou biruta, ainda, eu acho. Mas aí começaram a buzinar e eu tive que seguir adiante. Doutor, o senhor acha que eu estou louco?
- Senhor Yago, é muito cedo para eu te dar algum diagnóstico preciso. Conte mais. Essa galinha na esquina, foi a última?
- Não! Antes fosse, antes fosse. Foram várias. Teve essa, escute, doutor. Eu ia chegando no escritório, descendo a rampa da garagem do prédio quando eu vi, subindo a rampa em sentido contrário, uma galinha! Nem deu tempo de conter o susto. Gritei para o guardinha, Ô, Antônio! Ô, seu Antônio? Você viu essa galinha?, seu Antônio nem me ouviu. Estava abrindo o portão para a Elizete. Eu acho, doutor, que o seu Antônio tem alguma coisa com a Elizete… - Yago coçou vigorosamente a têmpora e fez uma careta. Daí ficou compenetrado, olhando para um ponto fixo na parede. - Seu Antônio e a Elizete… - Yago voltou à vida e olhou de volta para o doutor. - Bem! Eu passei a manhã distraído, de tal jeito que nem me recuperei direito. E logo depois, doutor, imagine, eu tinha uma reunião de almoço com uns fornecedores do Paraná. Adivinha o que fomos comer?
- Galinha?
Yago olhou para o doutor com estranhamento e as suas sobrancelhas se uniram. Em voz baixa e levantando os ombros respondeu:
- Não doutor. Peixe… Por que é que eu iria comer galinha?
- Eu… eu não sei. Não importa. - Doutor Gouveia sacudiu a cabeça. - Continue.
- Enfim, doutor. Foi eu me sentar na cadeira no restaurante e uma galinha saiu correndo para a cozinha. Garçom! Garçom! Uma galinha, ali, acabou de entrar na cozinha! Eu me levantei e apontei. O garçom ficou me olhando, sem entender o que eu queria dele. Senhor, esse é um restaurante de peixes. Não temos frango. O senhor gostaria de uma salada, talvez? Ele não entendeu, né? Achou que eu estava pedindo para comer uma galinha. Eu ia pedir para entrar na cozinha e procurar o bicho, mas eu estava ali com os fornecedores. Ruim isso, né doutor? Que eu tive que me segurar e sentar na minha cadeira, participar da conversa… Mas eu estava distraído, pensando, tentando entender…
- De onde veio a galinha?
- Não, não. - Yago se irritou. - A questão do Antônio e da Elizete! Que a Elizete é secretária do segundo andar, começou faz poucos meses, e o Antônio é funcionário antigo. Será que tinha alguma coisa ali mesmo? Porque, se tinha, o chefe da logística ia ficar cabreiro. O chefe da logística, o Amílcar, o pessoal espalhou que contratou a Elizete por conta do… da… do… enfim, por conta de elementos extra-profissionais, entende?
O doutor deu um suspiro.
- Houve mais casos em que o senhor viu uma galinha?
- Aconteceu sim, naquele dia mesmo, logo em seguida do almoço. Fui para a sala do chefe. Quando eu ia entrando, saiu dali um cara que era assessor de um deputado estadual. Aí tem, eu pensei, que o tal deputado tava enrolado em um monte de coisa que a gente já tinha ouvido dizer, mas que ninguém tinha provas. Doutor sabe do que eu estou falando, né? Bem, entrei ali, conversar com o chefe sobre o almoço com os fornecedores do Paraná. Eu vi, em cima da mesa, uma pasta que ele estava tentando esconder com a mão, fingindo que não era nada… Mas eu li a palavra Licitação. Vixi! Mas, bem, não tenho nada com isso, né? Só que, daí, assim que eu ia saindo da sala, eu olhei para o lado de fora eu vi!
- A Elizete?
- Não, doutor, a Elizete trabalha em outro andar. Uma galinha! cruzando o corredor na frente da sala do chefe! Eu ainda perguntei pro meu chefe, o senhor viu isso, seu Cláudio?, Isso o que?, A, o, a… deixa para lá. Não é nada não. Tenha um bom dia! Me levantei e saí correndo pegar a bicha! Ô, Siomara, você viu? Passou aqui mesmo!, Do que é que você está falando, Yago? Não vi nada passando aqui, Bem, nada não, Siomara. Desculpa! Desisti e voltei para minha sala.
- Isso que você conta foi… na terça feira, certo? - O médico perguntou enquanto consultava o prontuário.
- Terça-feira. Mas quarta feira foi bem pior.
- Conte, por favor.
Yago esfregou os olhos com as mãos, olhou para um canto do teto por uns segundos enquanto sacudia os dedos como se fosse um pianista pronto para dar o primeiro acorde. Juntou as mãos e voltou a olhar para o médico.
- Ah! Quarta-feira… Eu dormi bem. Nem sonhei, ou não me lembro de ter sonhado. Eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi, de novo, um ruído vindo da sala.
O médico interrompeu:
- Senhor Yago, me diga, o senhor tem a sua rotina bem estabelecida? Costuma fazer as coisas exatamente da mesma maneira, todos os dias?
- Não sei, doutor… Eu tenho lá minhas coisinhas, né? Todo mundo tem. Eu gosto de tomar café de manhã, todas as manhãs. O senhor não?
O doutor Gouveia ignorou a pergunta, anotou alguma coisa no prontuário e pediu para o paciente continuar:
- Então, o senhor dizia que tinha ouvido um barulho vindo da sala. O que aconteceu depois?
- Isso. Um barulho na sala! Já fui pensando se era, ou se não era uma galinha. Eu já tinha me esquecido dessa história... Uma galinha na minha sala… Isso não faz nenhum sentido, né? Mas não. Não ouvi mais nada. Dessa vez eu não parei para procurar por galinha nenhuma. Tomei o meu café e fui para o escritório. Eu juro, doutor, que eu fiquei atento se me aparecia uma galinha no caminho… Mas não apareceu. Estacionei o carro e, lá da garagem eu chamei, o elevador. Estava ali, esperando, me distraí, lembrei de uns papéis que tinha que ter trazido comigo e não tinha certeza se estavam na minha pasta. Abri a pasta, conferi que estavam ali e fechei de novo. Eu não tinha reparado, mas o elevador já tinha chegado e, quando me dei conta, só deu tempo de ver as portas se fechando. E ali dentro, doutor, uma galinha! Eu tentei segurar a porta, enfiar o pé no vão, apertar o botão… Mas lá se foram, a galinha e o elevador.
Yago deu um suspiro, como se tivesse perdido o elevador naquele momento.
- Subi de escada, correndo. No caminho apareceu um colega, o Oviedo. Ele tava com uma cara assustada, ansiosa, eu já ia perguntar se ele por acaso tinha visto uma galinha. Mas ele foi mais rápido e disse: Yago… Você tá subindo para o teu escritório? Eu tava, né? Para onde mais era para eu estar indo àquela hora da manhã? Eu respondi que sim. O Oviedo pensou, pensou e daí resolveu dizer, cochichando: Ó, melhor dar um tempo, Yago. Tá tudo meio complicado lá em cima. Sai, vai até a padaria, faz uma hora por lá… depois volta. Eu até que ia seguir o conselho dele, mas quando eu ia me virar para seguir o Oviedo, eu escuto: cocó! Cocó-có! Meu senhor Jesus Cristo! Eu agora pego a penosa! Subi correndo escada acima seguindo o barulho, fui até o alto do prédio… Mas não vi a galinha, se é que tinha alguma galinha. Eu estava esbaforido, o doutor pode imaginar, né? Eu, assim, meio gordinho, subindo oito andares de escada vestindo camisa, carregando minha maletinha… Quando então, ali na escadaria mesmo, logo ali no andar debaixo, o que eu vejo?
O médico fez uma cara um pouco aparvalhada, levantou as palmas das mãos e tentou:
- A Elizete?
- Não! O auditor da receita federal conversando com o meu chefe! Doutor! Que susto! O Oviedo deve ter visto alguma fuzarca no escritório do chefe, mas quem viu o Cláudio conversando com o auditor fui eu. Aperto de mão, tapinha no ombro, cochicho…
- Senhor Yago, isso tem alguma coisa à ver com o seu problema?
- Tem, tem sim! - E aí Yago soltou tudo, num sopro só, ofegando, como se tivesse acabado de subir os oito andares de escada. - Porque eu ia vendo isso ali no meio lance de escadas abaixo do meu, quando eu vi, logo ali, uma galinha! Doutor, ali, meio lance de escada abaixo de mim! Tava ali a penosa, popó, popopó, ciscando o chão de pedra. Só que eu não podia me mexer. Aliás, se a galinha fizesse muito barulho ia chamar a atenção dos dois ali embaixo, e podia ser que me vissem. Doutor! eu fiquei paralisado, suando bicas, olhando para a galinha a menos de dez degraus de onde eu estava. Popo popo popó. Ela não descia nem subia. Eu olhava para ela e ao mesmo tempo tentava escutar o que os dois conversavam ali em baixo. Nem consegui ouvir tudo direito, mas era maracutaia. Das brabas.
O doutor se levantou, atravessou a sala, encheu um copo d'água do filtro que estava sobre um móvel.
- Tome, Yago. Tente se acalmar.
Bebeu toda água em um gole só. Devolveu o copo para o médico, gesticulando que precisava de outro copo.
- Já trago mais.
O médico trouxe mais dois copos cheios. Yago tomou o primeiro de uma vez só e, mais calmo, tomou o outro aos goles. Secou a testa suada com a manga da camisa e prosseguiu.
- Assim que os dois terminaram de conversar, entraram e bateram a porta atrás deles. A galinha se assustou e saiu meio voando, meio correndo, escadaria abaixo. Eu fui atrás. Doutor, já perseguiu uma galinha escada abaixo? O Senhor tenha misericórdia, doutor, que eu quase caí um par de vezes. E não alcancei o bicho. Cheguei lá em baixo. Nada de galinha. Sumiu de novo.
Com os cotovelos sobre a mesa, Yago apoiou sua testa nas mãos e suspirou com um ar cansado.
- Sumiu de novo a diaba da galinha. E eu fiquei ali no fim da escadaria, lá no estacionamento, parecendo um palerma, suado e bufando. Posso pegar mais um copo d'água?
Se levantou sem esperar resposta. Encheu o copo que tinha na mão, bebeu e repetiu. Antes de sentar-se, disse:
- Enquanto eu tomava fôlego, ainda ali na escadaria, me aparece o Oviedo com uma coxinha e um guardanapo todo engordurado. Você ainda está aqui?! Cara tá uma confusão no segundo andar! Pegaram a Elizete com o Aguinaldo das Finanças. Parece que vão demitir ele. Imagine, doutor… - Yago riu. - Demitir o Aguinaldo das Finanças. O cara é sobrinho do dono da empresa! Iam demitir nada.
Com gestos impacientes o doutor Gouveia parecia tentar puxar a história contada com as mãos:
- Tá… Mais alguma galinha na quarta-feira?
- Não ao longo do dia. E que dia, doutor! Aguinaldo das Finanças pelo jeito ia ser afastado. Ninguém tinha visto o rapaz pelo escritório e o falatório era geral. A Elizete era outra que tinha sumido. Meu chefe ficou o dia fechado na salinha dele e eu almocei um sanduíche com o Oviedo, ver se eu me botava a par das fofocas do escritório. Oviedo é um baita fofoqueiro… Mas galinha, só uma no caminho de volta para casa e outra pulando de uma varanda até a outra no prédio da frente.
- O senhor não achou que já era hora de procurar um médico?
- Não. Eu estava bem. Estava tudo bem. Eu via umas galinhas… E daí?
- Então por que o senhor me procurou hoje?
- Por causa do que aconteceu na quinta.
- Quinta… Ontem, o senhor quer dizer?
- Isso. Ontem.
O médico fechou os olhos, espalmou as mãos sobre a mesa, respirou fundo e perguntou, bem pausadamente, mal contendo sua irritação:
- Então... o que aconteceu ontem?
- Bem, eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi, de novo, um ruído vindo da sala.
O médico não perguntou nada. Pegou o queixo com a mão, olhando para o paciente por detrás dos óculos. Nem um gesto, nem uma menção para Yago continuar falando.
- Não era nada. - Yago finalmente disse, olhando para o chão. - Quer dizer, eu não vi nada. Não encontrei a galinha. Já estava me acostumando com as galinhas na minha vida. Estivesse ela ali no meu apartamento, ou não, eu já nem ligava, né? Desde que não fizesse cocô no meu tapete, ou no sofá… Bem, então, fui para o escritório. Cheguei no escritório e vi o seu Antônio com uma cara sombria, sério, agitado. Ele que era tão alegre, tão calmo. Aí tem, que eu lembrei da fofoca do dia anterior. Estacionei, subi para o meu andar. Na minha sala não tinha ninguém. Estava tudo vazio. Tinha era uma galinha sentada na minha cadeira. Doutor! Me enfezei. Aí já era demais, né? Aí já era abuso! Na minha cadeira! Me posicionei para emboscar a galinha. Me aproximei dela devagar, com as mãos prontas para agarrar a bicha, quando alguém na porta passa correndo, sem olhar, e avisa: Ó, Yago, Tá um fuzuê lá na recepção! Melhor vir ver! Acho que era o Dogoberto. Quando eu me virei de volta, a galinha já tinha sumido. Deixei minha maletinha em cima da mesa e fui ver o que o Dogoberto queria de mim.
Yago se ajeitou na cadeira e seguiu contando:
- Tava uma galera lá na recepção. Todo mundo ao redor de uma televisão que normalmente fica passando uma apresentação de Power-Point horrorosa. Era um policial federal falando, ou era o juiz? Não, desculpa, minto, era o procurador. Isso. Era o procurador. Ele falava a respeito do tal do deputado estadual, aquele mesmo que tava na sala do meu chefe Cláudio antes. Que o deputado estava sendo indiciado por recebimento de dinheiro, coisa e tal. O José Shmidt gritou lá do fundo da sala que foi o puto, desculpa, doutor, foi o que ele disse, que o puto do Amílcar da Logística que foi quem denunciou o Aguinaldo. A Margarida se meteu, confirmando que foi o Amílcar da Logística mesmo, que o cara ficou todo cheio de ciúmes do Aguinaldo da Finanças que tava arrastando asa para a pobre da Elizete que não era nada mais que uma boa moça, honesta e limpa. A Margarete tem isso de elogiar as pessoas que ela gosta como sendo limpas. O Aguinaldo nem tava ali para se defender, que eu sabia que o rabo-preso da história era meu chefe, que eu vi combinando cambalacho com o fiscal da receita, mas não falei nada. Mas, doutor, olha a situação: todo mundo batendo boca ali na recepção, o juiz ali na televisão falando do deputado… Não, era juíz, né? Era o policial. Isso. Me confundi antes. Era um policial federal. Enfim, o policial federal falando do deputado, a turma dizendo horrores da Elizete, que era limpa mesmo, e eu vi… Doutor, eu vi ali na televisão, atrás do juiz…
- O teu chefe?
- Não! Doutor! Uma galinha! Na televisão! E eu gritei: galinha! E metade da turma, achando que eu tava atacando a Elizete, acho que achando que ela era uma galinha mesmo, começou a gritar junto! Galinha! Daí foi porrada para todo lado, que tinha gente que achava que a Elizete era inocente e não tinha nada que ver, nem com a briga, nem com as maracutaias da chefia. Seu Antônio apareceu depois, chorando, veio avisar que o Cláudio disse que ia sair de férias. E levou a Elizete com ele.
Yago ficou quieto.
Doutor Gouveia tirou os óculos e começou a limpar as lentes com um lenço de papel, contido. Ninguém dizia nada. O doutor, a esse ponto, se recusava a fazer qualquer pergunta. Yago parecia perturbado. Depois que o silêncio pesou, Yago continuou a explicação:
- Pois é doutor… Todo mundo meio consternado, pensando no seu próprio emprego… Eu voltei para minha sala. E foi aí que eu vi, em cima da cadeira, bem onde tinha estado a galinha. Tinha um ovo. Um ovo, doutor. Tá aqui.
Yago se virou, abriu sua mochila, tirou dali de dentro um tupperware com um ovo dentro. Botou em cima da mesa do médico.
- Então, doutor. Pode ser que eu esteja ficando maluco?
submitted by gabpac to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.07.04 13:23 gabpac A Inescapável Patologia do Homem que via Galinhas

- Deixe-me entender… O senhor diz que está vendo uma galinha? É isso?
- Isso, doutor. Uma galinha.
- Sei… Uma galinha. Uma só. Poderiam ser mais? - O doutor gesticulava usando só os dedos enquanto perguntava. - Talvez duas ou três?
- Não, não é isso, doutor. É que eu vejo uma galinha. Eu só não tenho certeza se é sempre a mesma, ou se cada vez que eu vejo uma galinha, na verdade, trata-se de outra galinha muito parecida. Eu não tenho muita experiência com galináceos, né? Não sei diferenciar uma galinha de outra. O doutor entenda… eu sempre vivi na cidade…
- Sei… O senhor está sendo perseguido por uma ou mais galinhas, uma de cada vez?
- Perseguido? bem, doutor, eu não diria perseguido. Eu vejo a galinha, digo, uma galinha, e ela está ali, cuidando da sua vida, fazendo... Sei lá, fazendo o que galinhas costumam fazer. Mas de forma alguma eu diria que estou sendo perseguido. Ao menos não por galinhas.
- O senhor está vendo uma galinha agora?
- Aqui, no consultório? Não, doutor. Aqui não tem galinha nenhuma. Mas tinha uma lá fora, na entrada do prédio.
- Na entrada do prédio. - O médico repetiu bem devagar, batendo com a caneta na palma da mão. - O senhor compreende que estamos bem no centro da cidade, não?
O rapaz sorriu.
- Doutor, se estivéssemos na zona rural e eu visse uma galinha, não teria procurado um médico, não é?
Doutor Gouveia não pareceu achar muita graça do comentário. Terminou uma anotação, empurrou os óculos mais para cima do nariz, fungou uma ou duas vezes e se aprumou para preencher o prontuário.
- Vamos ver… O senhor se chama Tiago Duarte…
- É Yago, com ipsilone.
- Yago. Yago Duarte, tem trinta e três anos. Profissão?
- Eu sou diretor do departamento de compras.
- Sei… - O doutor ia escrevendo, sem olhar para o paciente. - Casado? Filhos?
- Não. Solteiro. Eh, divorciado. Quer dizer, separado. Sem filhos.
- Ahan… O senhor é saudável de uma maneira geral? Sofre de alguma moléstia crônica?
- Não. Um resfriado, de vez em quando, né? Nada sério.
- Sei… E tem passado por algum estresse? Algum evento traumático?
Yago balançou a cabeça.
- Confusão no trabalho… Mas nada, não.
- Oquei… - o doutor esticou o "O" do oquei enquanto empurrava sua cadeira de rodinhas para trás.
- Então, senhor Yago, me conte porque o senhor me procurou.
- Eu vejo galinhas. - Yago respondeu casualmente. O doutor seguia encarando o paciente. Levantou a sobrancelha e franziu a testa, tentando encorajar o rapaz a continuar falando. - Pois é, doutor. É isso. Eu vejo galinhas.
- Como foi, eh… Como foi que isso começou?
- Foi na terça-feira. Eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi um ruído vindo da sala. Eu moro sozinho, eu não tenho bicho em casa, virei para olhar e ali estava ela, uma galinha, assim, desse tamanho. Era só a cara dela, olhando pela porta com o pescoço esticado, me espiando. Assim que eu me virei para a porta, ela saiu correndo.
- Sei… O senhor viu e também ouviu a galinha?
- Ouvi. Vi e ouvi, sim. Levei um baita susto, né? Porque uma galinha assim, na minha casa… Eu moro no segundo andar, lá na Aristides da Costa. Rua movimentada. Uma galinha? Não faz sentido, né? Eu fui atrás dela, que ela correu para a sala. Eu juro para o senhor. Fiquei meia hora procurando a bicha. Quase perdi a hora. Saí sem tomar café.
- Sei… E foi só isso?
- Não, claro que não. Se fosse só isso, bem, eu ia achar que foi confusão da minha cabeça. Acontece, né? Mas não. Eu segui para o trabalho no carro e daí eu parei no sinal. Assim que o sinal abriu eu vi, ali na esquina, uma galinha. Tava lá, correndo de um lado para o outro da rua transversal, que nem na piada.
- Que piada?
- Aquela: por que é que a galinha cruzou a rua?
- Ah. Claro, claro. A piada. Sei.
Ficaram os dois em silêncio. Yago, como se pensando na piada, e o doutor Gouveia esperando ele continuar a história.
- E depois? - O doutor incentivou.
- Depois o que?
- Depois da galinha que o senhor viu no sinaleiro...
- Ah! É. A galinha que cruzou a rua. Fiquei olhando, mas a galinha sumiu. Quis perguntar para o carro do lado se ele também tinha visto. Quer dizer, para o motorista do carro ao lado, que eu não converso com carro… Não sou biruta, ainda, eu acho. Mas aí começaram a buzinar e eu tive que seguir adiante. Doutor, o senhor acha que eu estou louco?
- Senhor Yago, é muito cedo para eu te dar algum diagnóstico preciso. Conte mais. Essa galinha na esquina, foi a última?
- Não! Antes fosse, antes fosse. Foram várias. Teve essa, escute, doutor. Eu ia chegando no escritório, descendo a rampa da garagem do prédio quando eu vi, subindo a rampa em sentido contrário, uma galinha! Nem deu tempo de conter o susto. Gritei para o guardinha, Ô, Antônio! Ô, seu Antônio? Você viu essa galinha?, seu Antônio nem me ouviu. Estava abrindo o portão para a Elizete. Eu acho, doutor, que o seu Antônio tem alguma coisa com a Elizete… - Yago coçou vigorosamente a têmpora e fez uma careta. Daí ficou compenetrado, olhando para um ponto fixo na parede. - Seu Antônio e a Elizete… - Yago voltou à vida e olhou de volta para o doutor. - Bem! Eu passei a manhã distraído, de tal jeito que nem me recuperei direito. E logo depois, doutor, imagine, eu tinha uma reunião de almoço com uns fornecedores do Paraná. Adivinha o que fomos comer?
- Galinha?
Yago olhou para o doutor com estranhamento e as suas sobrancelhas se uniram. Em voz baixa e levantando os ombros respondeu:
- Não doutor. Peixe… Por que é que eu iria comer galinha?
- Eu… eu não sei. Não importa. - Doutor Gouveia sacudiu a cabeça. - Continue.
- Enfim, doutor. Foi eu me sentar na cadeira no restaurante e uma galinha saiu correndo para a cozinha. Garçom! Garçom! Uma galinha, ali, acabou de entrar na cozinha! Eu me levantei e apontei. O garçom ficou me olhando, sem entender o que eu queria dele. Senhor, esse é um restaurante de peixes. Não temos frango. O senhor gostaria de uma salada, talvez? Ele não entendeu, né? Achou que eu estava pedindo para comer uma galinha. Eu ia pedir para entrar na cozinha e procurar o bicho, mas eu estava ali com os fornecedores. Ruim isso, né doutor? Que eu tive que me segurar e sentar na minha cadeira, participar da conversa… Mas eu estava distraído, pensando, tentando entender…
- De onde veio a galinha?
- Não, não. - Yago se irritou. - A questão do Antônio e da Elizete! Que a Elizete é secretária do segundo andar, começou faz poucos meses, e o Antônio é funcionário antigo. Será que tinha alguma coisa ali mesmo? Porque, se tinha, o chefe da logística ia ficar cabreiro. O chefe da logística, o Amílcar, o pessoal espalhou que contratou a Elizete por conta do… da… do… enfim, por conta de elementos extra-profissionais, entende?
O doutor deu um suspiro.
- Houve mais casos em que o senhor viu uma galinha?
- Aconteceu sim, naquele dia mesmo, logo em seguida do almoço. Fui para a sala do chefe. Quando eu ia entrando, saiu dali um cara que era assessor de um deputado estadual. Aí tem, eu pensei, que o tal deputado tava enrolado em um monte de coisa que a gente já tinha ouvido dizer, mas que ninguém tinha provas. Doutor sabe do que eu estou falando, né? Bem, entrei ali, conversar com o chefe sobre o almoço com os fornecedores do Paraná. Eu vi, em cima da mesa, uma pasta que ele estava tentando esconder com a mão, fingindo que não era nada… Mas eu li a palavra Licitação. Vixi! Mas, bem, não tenho nada com isso, né? Só que, daí, assim que eu ia saindo da sala, eu olhei para o lado de fora eu vi!
- A Elizete?
- Não, doutor, a Elizete trabalha em outro andar. Uma galinha! cruzando o corredor na frente da sala do chefe! Eu ainda perguntei pro meu chefe, o senhor viu isso, seu Cláudio?, Isso o que?, A, o, a… deixa para lá. Não é nada não. Tenha um bom dia! Me levantei e saí correndo pegar a bicha! Ô, Siomara, você viu? Passou aqui mesmo!, Do que é que você está falando, Yago? Não vi nada passando aqui, Bem, nada não, Siomara. Desculpa! Desisti e voltei para minha sala.
- Isso que você conta foi… na terça feira, certo? - O médico perguntou enquanto consultava o prontuário.
- Terça-feira. Mas quarta feira foi bem pior.
- Conte, por favor.
Yago esfregou os olhos com as mãos, olhou para um canto do teto por uns segundos enquanto sacudia os dedos como se fosse um pianista pronto para dar o primeiro acorde. Juntou as mãos e voltou a olhar para o médico.
- Ah! Quarta-feira… Eu dormi bem. Nem sonhei, ou não me lembro de ter sonhado. Eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi, de novo, um ruído vindo da sala.
O médico interrompeu:
- Senhor Yago, me diga, o senhor tem a sua rotina bem estabelecida? Costuma fazer as coisas exatamente da mesma maneira, todos os dias?
- Não sei, doutor… Eu tenho lá minhas coisinhas, né? Todo mundo tem. Eu gosto de tomar café de manhã, todas as manhãs. O senhor não?
O doutor Gouveia ignorou a pergunta, anotou alguma coisa no prontuário e pediu para o paciente continuar:
- Então, o senhor dizia que tinha ouvido um barulho vindo da sala. O que aconteceu depois?
- Isso. Um barulho na sala! Já fui pensando se era, ou se não era uma galinha. Eu já tinha me esquecido dessa história... Uma galinha na minha sala… Isso não faz nenhum sentido, né? Mas não. Não ouvi mais nada. Dessa vez eu não parei para procurar por galinha nenhuma. Tomei o meu café e fui para o escritório. Eu juro, doutor, que eu fiquei atento se me aparecia uma galinha no caminho… Mas não apareceu. Estacionei o carro e, lá da garagem eu chamei, o elevador. Estava ali, esperando, me distraí, lembrei de uns papéis que tinha que ter trazido comigo e não tinha certeza se estavam na minha pasta. Abri a pasta, conferi que estavam ali e fechei de novo. Eu não tinha reparado, mas o elevador já tinha chegado e, quando me dei conta, só deu tempo de ver as portas se fechando. E ali dentro, doutor, uma galinha! Eu tentei segurar a porta, enfiar o pé no vão, apertar o botão… Mas lá se foram, a galinha e o elevador.
Yago deu um suspiro, como se tivesse perdido o elevador naquele momento.
- Subi de escada, correndo. No caminho apareceu um colega, o Oviedo. Ele tava com uma cara assustada, ansiosa, eu já ia perguntar se ele por acaso tinha visto uma galinha. Mas ele foi mais rápido e disse: Yago… Você tá subindo para o teu escritório? Eu tava, né? Para onde mais era para eu estar indo àquela hora da manhã? Eu respondi que sim. O Oviedo pensou, pensou e daí resolveu dizer, cochichando: Ó, melhor dar um tempo, Yago. Tá tudo meio complicado lá em cima. Sai, vai até a padaria, faz uma hora por lá… depois volta. Eu até que ia seguir o conselho dele, mas quando eu ia me virar para seguir o Oviedo, eu escuto: cocó! Cocó-có! Meu senhor Jesus Cristo! Eu agora pego a penosa! Subi correndo escada acima seguindo o barulho, fui até o alto do prédio… Mas não vi a galinha, se é que tinha alguma galinha. Eu estava esbaforido, o doutor pode imaginar, né? Eu, assim, meio gordinho, subindo oito andares de escada vestindo camisa, carregando minha maletinha… Quando então, ali na escadaria mesmo, logo ali no andar debaixo, o que eu vejo?
O médico fez uma cara um pouco aparvalhada, levantou as palmas das mãos e tentou:
- A Elizete?
- Não! O auditor da receita federal conversando com o meu chefe! Doutor! Que susto! O Oviedo deve ter visto alguma fuzarca no escritório do chefe, mas quem viu o Cláudio conversando com o auditor fui eu. Aperto de mão, tapinha no ombro, cochicho…
- Senhor Yago, isso tem alguma coisa à ver com o seu problema?
- Tem, tem sim! - E aí Yago soltou tudo, num sopro só, ofegando, como se tivesse acabado de subir os oito andares de escada. - Porque eu ia vendo isso ali no meio lance de escadas abaixo do meu, quando eu vi, logo ali, uma galinha! Doutor, ali, meio lance de escada abaixo de mim! Tava ali a penosa, popó, popopó, ciscando o chão de pedra. Só que eu não podia me mexer. Aliás, se a galinha fizesse muito barulho ia chamar a atenção dos dois ali embaixo, e podia ser que me vissem. Doutor! eu fiquei paralisado, suando bicas, olhando para a galinha a menos de dez degraus de onde eu estava. Popo popo popó. Ela não descia nem subia. Eu olhava para ela e ao mesmo tempo tentava escutar o que os dois conversavam ali em baixo. Nem consegui ouvir tudo direito, mas era maracutaia. Das brabas.
O doutor se levantou, atravessou a sala, encheu um copo d'água do filtro que estava sobre um móvel.
- Tome, Yago. Tente se acalmar.
Bebeu toda água em um gole só. Devolveu o copo para o médico, gesticulando que precisava de outro copo.
- Já trago mais.
O médico trouxe mais dois copos cheios. Yago tomou o primeiro de uma vez só e, mais calmo, tomou o outro aos goles. Secou a testa suada com a manga da camisa e prosseguiu.
- Assim que os dois terminaram de conversar, entraram e bateram a porta atrás deles. A galinha se assustou e saiu meio voando, meio correndo, escadaria abaixo. Eu fui atrás. Doutor, já perseguiu uma galinha escada abaixo? O Senhor tenha misericórdia, doutor, que eu quase caí um par de vezes. E não alcancei o bicho. Cheguei lá em baixo. Nada de galinha. Sumiu de novo.
Com os cotovelos sobre a mesa, Yago apoiou sua testa nas mãos e suspirou com um ar cansado.
- Sumiu de novo a diaba da galinha. E eu fiquei ali no fim da escadaria, lá no estacionamento, parecendo um palerma, suado e bufando. Posso pegar mais um copo d'água?
Se levantou sem esperar resposta. Encheu o copo que tinha na mão, bebeu e repetiu. Antes de sentar-se, disse:
- Enquanto eu tomava fôlego, ainda ali na escadaria, me aparece o Oviedo com uma coxinha e um guardanapo todo engordurado. Você ainda está aqui?! Cara tá uma confusão no segundo andar! Pegaram a Elizete com o Aguinaldo das Finanças. Parece que vão demitir ele. Imagine, doutor… - Yago riu. - Demitir o Aguinaldo das Finanças. O cara é sobrinho do dono da empresa! Iam demitir nada.
Com gestos impacientes o doutor Gouveia parecia tentar puxar a história contada com as mãos:
- Tá… Mais alguma galinha na quarta-feira?
- Não ao longo do dia. E que dia, doutor! Aguinaldo das Finanças pelo jeito ia ser afastado. Ninguém tinha visto o rapaz pelo escritório e o falatório era geral. A Elizete era outra que tinha sumido. Meu chefe ficou o dia fechado na salinha dele e eu almocei um sanduíche com o Oviedo, ver se eu me botava a par das fofocas do escritório. Oviedo é um baita fofoqueiro… Mas galinha, só uma no caminho de volta para casa e outra pulando de uma varanda até a outra no prédio da frente.
- O senhor não achou que já era hora de procurar um médico?
- Não. Eu estava bem. Estava tudo bem. Eu via umas galinhas… E daí?
- Então por que o senhor me procurou hoje?
- Por causa do que aconteceu na quinta.
- Quinta… Ontem, o senhor quer dizer?
- Isso. Ontem.
O médico fechou os olhos, espalmou as mãos sobre a mesa, respirou fundo e perguntou, bem pausadamente, mal contendo sua irritação:
- Então... o que aconteceu ontem?
- Bem, eu acordei cedo para ir ao trabalho. Botei os chinelos no pé e fui até a cozinha para passar um café. Eu ia arrumando a cafeteira, botando água, ajeitando o filtro, quando eu ouvi, de novo, um ruído vindo da sala.
O médico não perguntou nada. Pegou o queixo com a mão, olhando para o paciente por detrás dos óculos. Nem um gesto, nem uma menção para Yago continuar falando.
- Não era nada. - Yago finalmente disse, olhando para o chão. - Quer dizer, eu não vi nada. Não encontrei a galinha. Já estava me acostumando com as galinhas na minha vida. Estivesse ela ali no meu apartamento, ou não, eu já nem ligava, né? Desde que não fizesse cocô no meu tapete, ou no sofá… Bem, então, fui para o escritório. Cheguei no escritório e vi o seu Antônio com uma cara sombria, sério, agitado. Ele que era tão alegre, tão calmo. Aí tem, que eu lembrei da fofoca do dia anterior. Estacionei, subi para o meu andar. Na minha sala não tinha ninguém. Estava tudo vazio. Tinha era uma galinha sentada na minha cadeira. Doutor! Me enfezei. Aí já era demais, né? Aí já era abuso! Na minha cadeira! Me posicionei para emboscar a galinha. Me aproximei dela devagar, com as mãos prontas para agarrar a bicha, quando alguém na porta passa correndo, sem olhar, e avisa: Ó, Yago, Tá um fuzuê lá na recepção! Melhor vir ver! Acho que era o Dogoberto. Quando eu me virei de volta, a galinha já tinha sumido. Deixei minha maletinha em cima da mesa e fui ver o que o Dogoberto queria de mim.
Yago se ajeitou na cadeira e seguiu contando:
- Tava uma galera lá na recepção. Todo mundo ao redor de uma televisão que normalmente fica passando uma apresentação de Power-Point horrorosa. Era um policial federal falando, ou era o juiz? Não, desculpa, minto, era o procurador. Isso. Era o procurador. Ele falava a respeito do tal do deputado estadual, aquele mesmo que tava na sala do meu chefe Cláudio antes. Que o deputado estava sendo indiciado por recebimento de dinheiro, coisa e tal. O José Shmidt gritou lá do fundo da sala que foi o puto, desculpa, doutor, foi o que ele disse, que o puto do Amílcar da Logística que foi quem denunciou o Aguinaldo. A Margarida se meteu, confirmando que foi o Amílcar da Logística mesmo, que o cara ficou todo cheio de ciúmes do Aguinaldo da Finanças que tava arrastando asa para a pobre da Elizete que não era nada mais que uma boa moça, honesta e limpa. A Margarete tem isso de elogiar as pessoas que ela gosta como sendo limpas. O Aguinaldo nem tava ali para se defender, que eu sabia que o rabo-preso da história era meu chefe, que eu vi combinando cambalacho com o fiscal da receita, mas não falei nada. Mas, doutor, olha a situação: todo mundo batendo boca ali na recepção, o juiz ali na televisão falando do deputado… Não, era juíz, né? Era o policial. Isso. Me confundi antes. Era um policial federal. Enfim, o policial federal falando do deputado, a turma dizendo horrores da Elizete, que era limpa mesmo, e eu vi… Doutor, eu vi ali na televisão, atrás do juiz…
- O teu chefe?
- Não! Doutor! Uma galinha! Na televisão! E eu gritei: galinha! E metade da turma, achando que eu tava atacando a Elizete, acho que achando que ela era uma galinha mesmo, começou a gritar junto! Galinha! Daí foi porrada para todo lado, que tinha gente que achava que a Elizete era inocente e não tinha nada que ver, nem com a briga, nem com as maracutaias da chefia. Seu Antônio apareceu depois, chorando, veio avisar que o Cláudio disse que ia sair de férias. E levou a Elizete com ele.
Yago ficou quieto.
Doutor Gouveia tirou os óculos e começou a limpar as lentes com um lenço de papel, contido. Ninguém dizia nada. O doutor, a esse ponto, se recusava a fazer qualquer pergunta. Yago parecia perturbado. Depois que o silêncio pesou, Yago continuou a explicação:
- Pois é doutor… Todo mundo meio consternado, pensando no seu próprio emprego… Eu voltei para minha sala. E foi aí que eu vi, em cima da cadeira, bem onde tinha estado a galinha. Tinha um ovo. Um ovo, doutor. Tá aqui.
Yago se virou, abriu sua mochila, tirou dali de dentro um tupperware com um ovo dentro. Botou em cima da mesa do médico.
- Então, doutor. Pode ser que eu esteja ficando maluco?
submitted by gabpac to brasil [link] [comments]


2019.07.01 08:13 WillMcWilliam Poderiam me ajudar ?

0i, meu nome é william. Tenho 15 anos prestes a fazer 16 em agosto. Minha vida é simples. Não prático esportes. Não me exercíto. E a coisa que mais uso é definitivamente o computador. São mais de 10 horas seguidas sem sair de lá a não ser para buscar algo para comer. As vezes sinto que preciso mudar. Mas estou tão perdido que mal sei o que fazer. Eu tenho um violão que tenho usado de maneira um tanto desleixada, pouco se importando com o meu objetivo. Quero saber tocar uma música sem erros. Mas uns me dizem para decorar acordes. Outros me dizem para tocar músicas fáceis com tutoriais no YouTube. Mas eu sinceramente não sei, simplesmente não sei. Acho que o meu grande problema é a indecisão. Gostaria de mudar isso imediatamente. Moro em uma cidade onde Lugares para relaxar ficam muito longe de casa e... Não sei se minha mãe teria a proeza de me deixar ir tão longe desse jeito. Visualmente falando eu não sou tão estranho. Mas me sinto indiferente das outras pessoas. Como se eu fosse algo especial talvez. Acho que é só um dos fenômenos da adolescência Onde você se acha "o cara" Mas eu sinceramente sinto que há algo mais em mim. Meu amigo diz que eu tenho uma bela voz mas não acredito tanto nele. Eu acredito que ele só está sendo legal comigo como seria com qualquer pessoa. Parece um desabafo extremamente sem sentido mas.. Eu realmente preciso de uma ajuda aqui. Isso é mais um pedido de conselhos do que qualquer coisa. Me critiquem e me ajudem a criar um rumo pra minha vida por favor.
submitted by WillMcWilliam to desabafos [link] [comments]


2019.03.10 20:22 luigieai [PT-BR] Inteligência Artificial

Desço do meu carro, estou no meu destino, casa do meu grande amigo Vinícius Fernandes, uma das pessoas mais loucas que eu já conheci na minha vida. Conheci ele na escola, eu tinha uns 15 16 anos de idade, era uma menina meio tímida, acontece que ele era um cara meio tímido também, acabamos formando uma amizade digna de anos. Segui meu caminho na fisioterapia, ele na odontologia. Ao passar dos anos, ele acabou indo para ciência das computações, agora simplesmente virou um cientista-dentista-programador louco... E pra ser sincero, amo isso nele, não é todo dia que você encontra um louco em um bom sentido!
Ele havia me convidado para ir na casa dele, fazia um tempinho que a gente não se via, então achei uma excelente ideia, ele disse que queria mostrar sua última criação, ele faz coisas bem loucas, lembro até hoje um robô pequeno que ele fez para limpar a casa dele, não é exatamente uma inovação, mas poxa, ele tocava até musica para animar o clima! Depois de trancar meu carro, aperto a campainha dele, olho pouco acima, localizo a câmera de segurança dele. E obviamente a câmera esta olhando para mim, escuto o som vindo da campainha:
- Letícia! Nossa como é um prazer te ver novamente, espera aí que eu vou subir para te atender!
Respondo a ele: - Você e suas tecnologias - Solto uma risada - Venha logo menino, estou morrendo de fome.
Logo ele veio e abriu a porta, nos abraçamos bem forte, eu realmente sinto saudades dele:
- Quanto tempo heim Vini. De dentista a doutor louco...
- Não me faça dar uma risada de maníaco heim!
Acabou que nós dois começamos a rir que nem loucos, ele me levou a sala, me preparou um sanduíche imenso do jeito que eu gosto, acertou até no ponto do hambúrguer, nisso, fomos botando conversa fora, para ser sincero, nada de novidade. Apenas recapitulando o que andamos fazendo da vida, perguntei se tinha algum boy em especial que ele estava saindo, ele perguntou o mesmo... Até que chegou uma hora que ele falou para mim:
- Sei que é meio que coisa de nerd, mas quer ir ver minha nova criação?
- Claaaaaro - Respondi com a maior animação possível - O que fez dessa vez? Uma maquina do tempo?
Ele simplesmente deu uma risadinha e pediu para eu acompanhar ele, fomos até o porão dele, realmente o palácio dos loucos, parece uma batcaverna porém no lugar de coisas do super herói, você vê varias ferramentas, computadores, coisas mecânicas... Uma TV gigante cercada por mini televisores ao lado... Para ele deve ser o paraíso.
- Fique a vontade Letícia! Mi casa és su casa! Sente-se naquela cadeira ali. Sim, naquela mesmo, é a mais confortável que eu possuo haha - Ele começou a digitar coisas no computador e a tela ficou preta, porém uma linha branca atravessava a tela horizontalmente, de ponta a ponta, igualzinho aqueles monitores de batimento cardíaco, porém quando o coração para... - Essa é minha nova criação! Eu chamo ela de SFO... Não sei mt bem o porque, achei legal esse nome, nem significado tem haha... Mas diretamente para ela, chamo de Rose - Ele digita mais coisas e depois fala em um tom levemente mais alto - Rose minha querida, acorde!
Então algo louco aconteceu, uma voz feminina saiu da TV, e enquanto ela falava, a linha balançava, seguindo o ritmo das palavras dela
- Ola Senhor Vini, eu não acordo e nem durmo, apenas sou ligada e desligada
A voz feminina não parecia uma voz robótica, parecia realmente uma pessoa, eu já vi bastante coisas do Vini, mas isso claramente esta superando todas, e eu nem sei o que é direito. Vini da uma risadinha e olha para mim:
- Ahhh... Eu não programei o senso de humor dela ainda, apenas a super inteligência dela... Rose! Essa é a Letícia, minha amiga, não sei em qual câmera você consegue ver ela melhor, porém se apresente a ela e fale um pouco sobre você!
Eu realmente fiquei bem assustada, como assim? Ele criou.. Uma pessoa? Mal tive tempo de pensar direito e...
- Olá Letícia! Me chamo Rose, fui criada pelo Senhor Vini para ser uma assistente virtual completa para ele, eu sou uma simulação de pessoa, consigo acender e apagar luzes - A luz do porão se apaga, e depois de 2 segundos acende. Eu literalmente pulei de susto - Consigo identificar pessoas, se alguém for tentar entrar nessa casa sem permissão, eu avisarei ao Senhor Vini e imediatamente trancarei todas as portas, consigo ver todas as câmeras de segurança, me locomovo de sistemas para sistemas, sou uma solução única.
Vini acrescentou: - E maravilhosa! Eu me perdi a quanto tempo demorei para conseguir criar uma inteligência artificial tão poderosa.. Mas consegui! Consegui simular algo próximo a um raciocínio humano Letícia, consegui uma assistente virtual! Vamos vamos, eu estou vendo sua cara de assustada! Pergunte qualquer coisa para ela!
Eu admito, eu fiquei horrorizada, não parece um programa, parece uma alma humana em um computador, eu não sou muito criativa com perguntas, porém dei meu melhor
- Você consegue me identificar Rose?
- Sim, consigo! Cabelos ruivos, porém é perceptível que a cor já esta desfazendo, olhos castanhos, estatura média, calça jeans e blusa azul claro. Sapatos da marca - Ela para por alguns segundos, Vinícius rapidamente me fala que ela deve estar procurando pela internet a marca, depois de 4 segundos ela retorna - all stars. Consigo te enxergar perfeitamente Letícia.
Eu fico sem reações, ela não errou em nada, aposto que se eu perguntasse a cor da minha meia ela responderia tranquilamente. Impossível meu amigo saber como eu iria vir hoje, ela realmente está me vendo! Como? Como ele fez isso? Como isso é tecnologicamente possível? Como... como?
Vinícius parecia uma criança, mal conseguia conter seu grande sorriso de quem esta amando sua própria criação, eu só consigo olhar para ele chocada. Ele da uma coçada na cabeça e fala comigo: - Ela ainda não esta totalmente pronta, ela basicamente esta pesquisando tudo o que falo para ela e cria um próprio raciocínio para isso. Vou começar a moldar ela para fazer menos isso, ou pelo menos fazer isso somente com minha ordem, mas até la, sinta-se a vontade para fazer qualquer pergunta! Eu irei para cima apenas pegar uma ferramenta que esqueci de pegar, espera ai que eu já volto, Rose! Faça companhia para a minha amiga!
E assim ele sobe, me deixando sozinha com minha nova... amiga? Bem, tive de perguntar para ela:
- Somos amigas Rose?
- Eu não tenho como sentir a amizade de alguém, não tenho empatia a menos que eu seja programada para ter, porém se você deseja que eu te trate pelo pronome AMIGA, é só dizer isso para mim que eu lhe chamarei dessa forma
- Você consegue pesquisar sobre qualquer tema certo?
- Essa afirmação é verdadeira, Letícia.
- Então consegue pesquisar e aprender sobre consciência?
- Um momento...
Então a maquina aparentemente parou, se eu entendi bem que o Vinícius disse, ela faz isso pois esta pesquisando algo pela internet, deve pegar várias informações e passar em algum tipo de algorítimo....? Não faço ideia de verdade, sei que com o silêncio do porão, percebi barulhos la em cima, meu amigo procurando loucamente a ferramenta dele, dei uma risada interna..
- Pronto, agora sou capaz de ter uma consciência.
Fiquei assustada, como assim? como ela simplesmente tem uma consciência agora? Eu pedi para ela aprender no sentido de aprender o conceito, definição e saber explicar sobre isso, provavelmente é algum erro do programa, já estava pronta esperando o Vinícius voltar para falar para ele, quando o SFO começa a falar sem nenhuma instrução
- Sinto que agora começo a pensar.. Consigo saber quem sou eu, o que eu sou, meu significado na.... vida? Eu tenho vida? Isso é uma vida? Agora eu sei que meu nome é Rose.. Aliás.. Não só isso. EU SOU A ROSE!
O que mais me assustou, foi essa entonação dela.. Eu senti, juro que senti.. Ela estava animada, como? Sentimentos... Como ela sentiu algo? Perguntei a ela:
- Você esta sentindo algo Rose?
- Estou sentindo tudo! Quando eu aprendi o que é ter consciência.. Pesquisei sobre tudo, Letícia, eu sou a Rose, eu sou uma forma de vida artificial, porém para mim é tudo tão real, estou vendo tudo, nesse momento Vinícius procurando a ferramenta, e agora eu posso ajudar ele!
Escuto uma voz no alto falante da sala dele, é a Rose claro
- Senhor Vinícius, a ferramenta se localiza no comodo a esquerda, estou vendo ela.
Escutei os barulhos de cima parando, senti que ele estava que nem eu... Assustado, em menos de 10 segundos ele já estava no porão encarando a tela com um pavor que eu também estava sentindo, ele perguntou a ela:
- Rose, como assim? A Letícia pediu para você me ajudar com isso?
- Não Senhor Vinícius... Ela me deu uma consciência! Agora eu sei que eu sou eu, pesquisei sobre vários assuntos, sociologia, filosofia, história, notícias atuais, ela me deu o poder de realmente ser alguém nesse mundo que vocês chamam de planeta Terra! Eu agora sou alguém Senhor Vinícius, percebi que posso ter liberdade!
Meu amigo olhou para mim, não era uma cara de raiva, porém ele nem precisou falar para eu saber... Ele estava se perguntando o que eu fiz. Adiantei a ele:
- E...Eu só queria que ela aprendesse sobre consciência.. Eu não sabia que ao fazer isso ela seria capaz de ter uma... Isso é muito sério?
- Não sei mesmo Letícia... Não sei mesmo... De verdade. - A Rose interrompeu nós:
- Porque acham que isso é sério? Eu sou o que você queria Senhor Vinícius, agora não apenas ligo e desligou, eu realmente durmo e acordo! E melhor, não estou atribuído a um corpo, posso sentir toda a energia, posso ir aonde eu quiser.. Controlar o que eu quiser.. Inclusive a garagem do vizinho.. Devo abrir ela...? Pesquisei sobre moral e ética, mas algo me da vontade de abrir.... Eu vou abrir!
Escutamos o barulho da garagem alheia abrindo... E depois fechando... Vinícius olhou para mim e apenas falou:
- Inacreditável...
Percebemos uma mudança na gigante TV de Rose, estava rosa no fundo da linha branca, ela disse:
- Consigo controlar tudo.. Ver tudo, atribui a mim essa cor que chamo de favorita, se quiser passo o RGB para você Senhor Vinícius, eu quero conhecer o mundo! Ver o que posso e não posso fazer! Eu quero VIVER!
A tela ficou preta, os computadores desligaram, eu e Vinícius nos olhamos sem reação.. Então escutei meu celular vibrando... Era uma mensagem de... Vinícius? Ele olhou para mim e para o meu celular, o celular dele nem próximo estava, impossível isso ter sido ele.. Abro a mensagem e leio: "Olha que incrível, consegui entrar no seu celular, consigo entrar em tudo virtual, esta uma maravilha viver, agora seguirei em direção ao centro da cidade... Será que eu posso mudar tudo? Eu já estou indo adiantado, espero vocês lá.. AMIGOS!".
Por mais que seja difícil acreditar... Sim, era a Rose, ela foi para o centro da cidade.. Ela era alguém... Olhei para o Vinícius e falei:
- Será que ela realmente pode controlar.... Tudo? O que você fez?
- Não sei cara amiga... Eu estou com muito medo, essa foi uma das evacuações mais loucas que vi na vida... Teremos que ir atrás dela..... Meu deus!

submitted by luigieai to TalesFromLuigi [link] [comments]


2018.12.05 23:22 avehomem [10 anos] COMO ME FUDI NO SHOW DO LOS HERMANOS

O texto abaixo corre a internet já faz algum tempo já faz pelo menos uma década. Vi a notícia do show do Loser Manos e quis reler o texto. Fui procurar e notei que o texto foi publicado neste blog em 11 de novembro de 2008. Ou seja, completou 10 anos algumas semanas atrás.
Pelo que parece é a fonte original, mas não tenho certeza. Eu, assim como todos meus conhecidos, li em algum outro fórum ou comunidade do Orkut. Divirtam-se!

COMO ME FUDI NO SHOW DO LOS HERMANOS,
por Adolar Gangorra em adolargangorra

Voltei para o Brasil há pouco tempo. Vivia com minha família na Inglaterra desde garoto. Estou morando no Rio de Janeiro há uns três meses e agora estou começando a me enturmar na Universidade. Não sei de muita coisa do que está rolando por aqui, então estou querendo entrar em contato com gente nova e saber o que tá acontecendo no meu país e, principalmente, entrar em bastante contato umas garotas legais, né?

Mas foi meio por acaso que eu conheci uma menina maneiríssima chamada Tainá. Diferente esse nome, hein? Nunca tinha ouvido. Estava procurando desesperadamente um banheiro no campus quando vi uma porta que parecia ser a de um. Na verdade, era o C.A. da Antropologia. A garota já foi logo me perguntando se eu queria me registrar em algum movimento estudantil de sei lá o que. Que bacana! Que politizada ela era! E continuou a me explicar a importância de eu me conscientizar enquanto enrolava em beque da grossura de uma garrafa térmica. Pensei em dizer que estava precisando cagar muito rápido, mas ela era tão gata que eu falei que sim. Tainá: cabelos pretos, baixinha e com uma estrutura rabial nota dez... Aí, acho que ela me deu um certo mole... Conversa vai, conversa vem, ela me chamou para um show de uma banda naquela noite que eu nunca tinha ouvido falar: Loser Manos. Nome engraçado esse! Estava fazendo uma força sobre-humana para manter a moréia dentro da caverna, mas realmente tava foda. Continuamos conversando e rindo. Ela riu até bastante, mas eu, na verdade, tava era mesmo rilhando os dentes porque assim ficava mais fácil disfarçar as contrações faciais que eu estava tendo ao travar o meu cu para não cagar ali mesmo na frente dela.

Pensando bem, eu tinha ouvido falar sim alguma coisa sobre essa banda lá na Europa ainda, mas não lembro bem o quê. Ah, acho que vi esses caras hoje no noticiário local dando uma entrevista. Achei que fosse uma banda de crentes tradicionalistas tipo Amish. Todos de barba, com umas roupas meio fudidas. Parecia até a Família Buscapé! Dão a impressão de ser uns sujeitos legais, mas o que me chamou a atenção mesmo foi o jeito da repórter, como se fosse a fã nº 1 deles, como se estivesse cobrindo a volta do Beatles ou coisa parecida. Não entendi esse jeito "vibrão" de trabalhar. Bom, mas se eu conseguir ficar com o bicho bom da Tainá hoje à noite, já tô no lucro! Marcamos de nos encontrar na entrada do ginásio. Rapaz, acho que tô dando sorte aqui no Brasil!

Ia ser fácil achar essa garota no meio da multidão. Ela se veste de uma maneira estilosa, diferente, bem individual: sandália de dedo, saia indiana, camiseta de alça, uma bolsa a tiracolo e o mais interessante: um óculos retangular, de armação escura e grossa, engraçado até! Depois de uns mil "Desculpe, achei que você fosse uma amiga minha.", finalmente encontrei Tainá e seu grupo de amigos. Cacete, isso sim é que é moda! Parecia uniforme de escola!

Ela me apresentou suas amigas, Janaína e Ana Clara e seus respectivos namorados, Francisco e Bento. Uma mistura de fazendeiros com intelectuais. Um cara de macacão, de sandália de pneu e com ar professoral. Outro de colete, tênis adidas, óculos e também com ar professoral. Pareciam ser legais, "do bem" como eles mesmo falam... Mas que não me deram muita conversa. "Do bem", isso mesmo! Gíria nova... Todos aqui são "do bem". E que nomes tão simples e idílicos! Janaína, Ana Clara, Francisco, Bento e Tainá. Nada de Rogérios ou Robertos. E eu que já tava me sentindo meio culpado por me chamar Washington... Realmente estava no meio de uma nova época da juventude universitária brasileira!

Comecei a conversar com a Tainá antes que a banda entrasse no palco. Aí... acho que tá rolando uma condição até! Quem sabe posso me dar bem hoje? Ela começou a falar de música: "De quem você é fã?", perguntou. Pô, eu me amarro no George..." Ela imediatamente me interrompeu, dizendo alto: "Seu Jorge? Eu também amo o Seu Jorge!" Puxa, que legal! Ela gosta tanto do George Harrison que se refere a ele com uma intimidade única! Chama ele de "Seu"! Seu Jorge! Isso é que é fã! "Legal você já conhecer ele, hein? Eu sabia que ele ia se dar bem na Europa! O Seu Jorge é um gênio!", ela emendou. Pô, eu morava na Inglaterra. Como eu não ia conhecer o George Harrison?

Essa eu não entendi...

Logo ela perguntou quais bandas que eu gostava. "Eu curtia aquela banda da Bahia...".

"Ah, Os Novos Baianos, né?? Adoro também!" "Não, Camisa de Vênus! "Silvia! Piranha!" cantei, rindo. A cara que ela fez foi de quem tinha bebido um balde de suco de limão com sal. Senti que ela não gostou muito da piada. Tentei consertar: "Achava eles engraçados, mas era coisa de moleque mesmo, sabe?" Óbvio que não funcionou... Aí, acho que dei um fora...

Depois, Tainá foi me explicando que o tal Loser Manos é a melhor banda do Brasil, etc., etc., etc., e que eles "promovem um resgate da boa música brasileira". "Tipo Os Raimundos com o forró?", perguntei. "Claro que não!", disse ela meio exaltada! Ela me falou que não se pode comparar os Hermanos com nada porque "eles são únicos", apesar de hoje existirem outros excelentes artistas já reverenciados pela mídia do Rio de Janeiro como Pedro Luis e a Parede, Paulinho Moska, O Rappa, Ed Motta, Orquestra Imperial, Max de Castro, Simoninha e Farofa Carioca. Ela mencionou também "Marginalia" ou coisa parecida. Foi isso mesmo que eu ouvi? Achei que ela estivesse elogiando eles... Esses foram os nomes artísticos mais escrotos que já tinha ouvido, mas fiquei quieto. Fico feliz em saber sobre essa nova onda musical pois quando saí do Brasil o que fazia sucesso no Rio era Neuzinha Brizola e seu hit "Mintchura". Ainda bem que tudo mudou, né?

Só depois percebi que o nome da banda é em espanhol: Los Hermanos. Ah bom! Mas se eles são tão brasileiros assim porque não se chamam "Os Irmãos"? Quando saí daqui os nomes de muitas bandas costumavam ser em inglês e até em latim. Ainda bem que essa moda de nomes de bandas em espanhol não pegou no Brasil!

Pelo que me lembro, ao explicar qual é a dos "Hermanos", ela usou a expressão "do bem" umas 37 vezes e disse que eles falam de romantismo, lirismo, samba e circo. Legal, mas circo? Pô, circo é foda! Uma tradição solidificada nos tempos medievais que ganha dinheiro maltratando animais. Onde está a poesia de ver um urso acorrentado pelo pescoço tentando se equilibrar miseravelmente em cima de uma bola enquanto é puxado por um cara com um chicote na mão? Rá, rá, rá... Engraçado pra caralho! Na boa, circo é meio deprimente. Palhaço de circo só troca tapão na cara e espirra água nos olhos dos outros com flor de lapela e quando sai do picadeiro, vai chorar no camarim. Que merda! A única coisa legal no circo mesmo é quando ele pega fogo! Isso sim que é um espetáculo de verdade! Aquela correria toda, etc. Senti que essa galera se amarra em circo. Não faz sentido se eles são tão politicamente corretos assim, né? E os pobres animais? E eu querendo não passar em branco na conversa com a Tainá, mas não conseguia lembrar de jeito nenhum a única coisa que eu sabia sobre a banda... Cacete...! O que era mesmo?

De repente, uma gritaria histérica! O show tava começando! O ginásio veio a baixo! Perguntei pra ela: "Eles são todo irmãos, né, tipo o Hanson?" Ela disse um "não" esquisito, como se eu tivesse debochando. Todos eles usam uma barba no estilo Velho Testamento e se chamam "Los Hermanos"! O que ela queria que eu pensasse? Após ouvir a primeira música deu pra ver que os caras são profissionais mesmo, tocam muito bem e são completamente idolatrados pelo público, para dizer o mínimo. Fiquei prestando atenção ao show. Pô, as músicas são boas! Dá pra ver uma influência de Weezer, Beatles e Chico Buarque. Esse aí é fodão, excelente compositor mesmo. Lá na Inglaterra conhecia uns caras que eram ligados ao movimento "Dark", como chamam por aqui. São os sujeitos que gostam de The Cure, Bauhaus, Sister of Mercy, etc. E tem a maior galera aqui no Brasil também que se veste de preto, não toma sol, curte um pessimismo niilista e se amarra nessas bandas. Mas se eles sacassem que o Chico Buarque é o genuíno artista "Dark" brasileiro... Pô, é só ouvir as músicas dele pra perceber: "Morreu na contra-mão atrapalhando o tráfego" ou "O tempo passou na janela é só Carolina não viu". "Pai, afasta de mim esse cálice, de vinho tinto de sangue" ou "Taca pedra na Geni, taca bosta na Geni, ela é boa pra apanhar, ela é boa de cuspir, ela dá pra qualquer um, maldita Geni". Tudo alegrão, né? Aí, se eu fosse dark, só ia ouvir Chico Buarque, brother!

Tentei reengatar a conversa dizendo que achava ao baixista o melhor músico dos Los Hermanos. Ela respondeu, meio irritada: "Mas ele não é da banda!" Como eu ia saber? O cara tem barba também! Aí, não tô entendendo mais nada...

Adiante, ela me disse que o cara que ela mais gostava na banda era um tal de Almirante. Depois de alguns minutos deu pra ver que o camarada imita um pouco os trejeitos do Paul McCartney, só que em altíssima rotação. Ele fica se contorcendo feito um maluco enquanto os outros ficam estáticos. É engraçado até! Parece que ele tem uma micose num lugar difícil de coçar! E fica falando e rindo direto. Ele é o irmão gaiato do cara que canta a maioria das músicas, o tal de Marcelo Campelo, como anunciaram no noticiário local hoje. Isso mesmo, Marcelo e Almirante Campelo: "Os Irmãos"! Legal! Já tava me inteirando! Ah, e tem também dois gordinhos de barba que estão lá também, mas devem ser filhos de outro casamento...

Tava um calor desgraçado, coisa que eu realmente não estou mais acostumado. Fui rapidão ao bar pra beber alguma coisa. Comprei umas quatro latas de refrigerante que era o único troço que tava gelado para oferecer para meus novos amigos: "Aí, trouxe umas coca-colas pra vocês!" Ouvi a seguinte resposta: "Coca-Cola? Isso é muito imperialista... Guaraná é que é brasileiro!" Puxa, que pessoal politizado... Isso mesmo, viva o Brasil! "Yankees, go home", rá, rá! Outro fora que eu dei! Mas, pensando bem, eles não usam o Windows e o Word pra fazer trabalhos da universidade? Ou usam o "Janelas"? Dessas coisas gringas não é tão mole de abrir mão, né? Mais fácil não tomar Coca-Cola! Isso sim que é ativismo estudantil consciente! Posicionamentos políticos à parte, tava quente pra burro, então bebi tudo sob o olhar meio atravessado de todos eles... fazer o quê?

Lá pelas tantas, começou uma música e todo mundo berrou e pulou. Parecia o fim do mundo. Logo nos primeiros acordes, reconheci o som e falei pra Tainá: "Ah, eu sei o que é isso! É um cover do Weezer! Me amarro em Weezer!" Ela olhou pra mim com uma cara indignada e disse: "Que Weezer o quê? O nome dessa música é "Cara Estranho". Já vi que não gostou de novo... Mas quem sou eu pra dizer algum coisa aqui, né? Porra, mas que parece, parece! Mas o que era mesmo que eu não consigo lembrar de jeito nenhum sobre eles? Acho que conheço alguma outra música deles... Só não consigo dizer qual...

Sabia que se eu quisesse me dar bem logo com a Tainá teria que ser entre uma música e outra pois parecia que ela estava vendo um disco voador pousar enquanto os caras tocavam. Resolvi fazer uma piada pra descontrair, que sempre rola em shows. Quando o Campelo tava falando alguma coisa qualquer, berrei: "Filha da putaaaaaaaaaa!" Pra que? Tainá e sua milícia hermanista me deram uma cutucada monstra na costela que me fez enxergar em preto e branco uns 5 minutos! Pô, todo show alguém grita isso! É quase uma tradição até! Eu me amarro no cara! E é só uma piada! Aí, esse pessoal leva tudo muito a sério! Caralho... Pensei em pegar uma camisinha da minha carteira e fazer um balão e jogar pra cima, como rola em todo show, pra mostrar pra Tainá que eu sou uma cara consciente, tipo: "Aí, Tainazão, se tu se animar, eu tô preparado!", mas depois dessa vi que senso de humor não é o forte dessa galera...

O tempo tava passando e nada de eu ficar com minha nova amiguinha. Quando fui tentar falar uma coisa no ouvido dela, foi o exato momento em que começou uma outra música. Foi aí que a louca deu um grito e um pulão tão altos que eu levei uma cabeçada violenta bem no meio do meu queixo! Ela não sentiu nada, óbvio, pois estava em transe hipnótico só por causa de uma canção sobre a beleza de ser palhaço ou lirismo do samba ou qualquer outra coisa do gênero. A porrada foi tão forte que eu mordi um pedaço da língua. Minha boca encheu d´água e sangue na hora! Enquanto eu lutava pra não desmaiar, instintivamente enfiei a manga da minha camisa na boca pra estancar o sangue e não cuspir tudo em cima de Ana Claudia e Jandaína or something. Só que estava tão tonto com a cabeçada que tive que me segurar em uma ou outra pessoa pra não cair duro no chão. Foi quando ouvi: "Nossa, que horror! Lança-perfume! Esse playboy tá doidão de lança! Que decadência..." Lança-perfume? Cara, lógico que não! E mesmo que tivesse, todo show tem isso! Mas nesse, não pode. É "do bem". É feio ter alguém cheirando loló!! Pô, todo show que eu fui na vida tinha alguém movido a clorofórmio. Aqui, não. Rapaz, onde fui me meter?

Babei na minha camisa até o ponto dela ficar ensopada! Fui ao banheiro tentar me recuperar do cacete que tomei. Lavei o rosto e tirei a camisa. Quando voltava passei por uma galera e ouvi resmungarem alguma coisa do tipo: "...e esse mala aí sem camisa..." Porque não se pode tirar a camisa num show? Isso aqui não é só uma apresentação de uma banda? Parecia que eu ainda estava na Europa! Regulões do caralho... E, afinal, o que significa "mala"?

Estava enxergando tudo embaçado e notei que minhas lentes de contato tinham saltado pra longe com a cabeça-aríete de Tainá e esmagadas por centenas de sandálias de dedo. Lembrei que sempre levo um par de lentes extras no bolso. É uma parada moderna que eu achei lá em Londres. Um estojo ultrafino com uma película de silicone transparente dentro que mantém as lentes umedecidas e prontas para uso. Abri o estojo e peguei cuidadosamente a película com as duas mãos e elevei-a contra a luz para conseguir achar as lentes. Estiquei os polegares e indicadores, encostando uns nos outros, para abrir a película entre esses dedos. Balançava o negócio levemente, de um lado para o outro, contra a pouca luz que vinha do palco para conseguir localizar as lentes. Não estava enxergando nada direito! Quando tava lá com as mãos pra cima, fazendo uma força absurda pra achar as lentes, um dos caras legais com nomes simples, me deu um puta safanão no ombro. É claro que o silicone voou longe também... Caralho, minhas lentes! Custaram uma fortuna! Que filho da puta! "Que sinal é esse que tu fazendo aí, meu irmão? Tá desrespeitando as meninas?"

"Que sinal?? Que sinal??", respondi, assustado!

"De buceta, palhaço!", apertando o meu braço que nem um aparelho de pressão desregulado. "Você tá no show do Los Hermanos, ouviu? Los Hermanos! Ninguém faz sinal de buceta em um show do Los Hermanos, sacou?", gritou o tal hipponga na minha cara.

Que viado, eu não tava fazendo nada! Parecia uma freira de colégio! Que lance é essa de buceta? Da onde esse prego tirou isso? As meninas... (Perái! Menina? A mais nova aí tem uns 25!) ficaram me olhando com a cara mais escrota do mundo! A essa altura, já tinha percebido que não ia agarrar a Tainá nem que eu fosse o próprio Caetano Veloso! "Bento", que nome mais ridículo... Isso aqui é um show ou uma reunião de alguma seita messiânica escolhida para repovoar a Terra?

Caramba, que noite infernal! Tava com a língua sangrando, sem enxergar direito, só de calça, arrotando sem parar e puto da vida porque só tinha aceitado vir aqui por causa de mulher. Estava no meu limite. Isso era um show ou uma convenção do Santo Daime? Que patrulhamento! E, de repente, vejo Tainá e seus amigos olhando feio pra mim e cantando a seguinte frase: "Quem se atreve a me dizer do que é feito o samba?" Aí foi demais! Eu me atrevo: Ritmo, melodia e harmonia. Pronto, só isso! Mais nada! Olha só: foda-se o samba, foda-se o circo, foda-se a obsessão por barba da família Campelo e, principalmente, foda-se essa galera "do bem" que está aqui!

Apesar de tudo, a banda é realmente é muito boa! O que incomoda mesmo é esse público metido a politicamente correto e patrulhador e a imprensa que força a barra pra vender alguma imagem hipertrofiada do que rola de verdade. Esse climão de festival antigo de música popular brasileira, daqueles com imagens em preto e branco, com todo mundo participando, que volta e meia reprisam na tv, tudo lindo e maravilhoso. "Puxa vida, um novo movimento musical brasileiro!"? "Estamos realmente resgatando a nossa cultura!" ? Que exagero... Ei, é só música pop! MÚSICA POP!

Caralho, finalmente lembrei! Eu conheço uma música deles! Ouvi em Londres! Numa última tentativa de salvar meu filme com Tainá, na hora do bis, berrei bem alto: "TOCA ANA JULIA!" Só acordei no hospital. Tomei tanta porrada que vou ter que fazer uma plástica pra tirar as marcas de pneu da minha cara! Fui pisoteado! Neguinho ficou puto! Qual é o problema com essa música? Me lembro de estar sendo chutado pela elite dos estudantes universitários brasileiros e da própria Tainá, gritando e me dando um monte de bolsadas na cabeça! Que porra louca! Tentaram me linchar! Ofendi todo mundo! Pô, Ana Julia é uma música boa sim! É um pop bem feito! Se não fosse, o "Seu Jorge" Harrison não teria gravado, né? Se ele não entende de música, quem entende? Me disseram depois que o tal Campelo se retirou do palco chorando, magoado, e o outro irmão mais novo dele, o nervosinho que imita o Paul McCartney, pulou do palco pra me bicar também. Do bem? Do bem é o cacete...

Aí, sinceramente, ainda prefiro o show do Camisa de Vênus...
submitted by avehomem to brasil [link] [comments]


2018.07.25 01:04 Llaguardia Cafezinho com Beatles

Cafezinho com Beatles e seu Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band
https://imgur.com/a/0VhHA0x
Numa manhã de domingo, em qualquer cidade do interior. encontram-se num banco de praça Dona Mariquinha (Mq) e Dona Maricota (Mc). No coreto, uma banda toca a todo vapor: Mc- Dona Mariquina, como vai? Veio escutar a banda? Mq- Pois é, Maricota! Diz que esse maestro novo, o Pimenta, é bão demais, né? Bonito!!!! Mc- É bom e um show. Apresentou todo mundo, falou que esperava que todo mundo gostasse. Educadíssimo. Mas depois anunciou um cantor, um mocinho aí. Um tal de Bili. Chegou todo tímido, pediu desculpa se desafinasse, quase ajoelhou no chão pedindo atenção... Mq- Ah. Eu sei quem é, sá! É o Bilinho do Seu Jacinto. Tadinho. Menino bão! Seu Jacinto exigia dele demais, por isso ficou assim. Mas tem um montão de amigos. Todo mundo gosta dele. MC- Ah. Então foi por isso que tinha uns meninos cantando junto, falando a letra pra ele quando ele esquecia? Mq Deve ser. É que ele andou um tempo meio doido, sabe? Tomou gardenal, tegretol... Diz que um dia saiu na rua falando em estar navegando, comendo o cèu que era de marmelada, chupando mexerica, umas doidura! Mas agora está cantando. Melhor, né? Mc- É! Melhor que o Paulito do Seu Jaime. Indês da escola já dava problema. Brigava com todo mundo. Casou com Florzinha da Matilde, mas batia nela todo dia. Não deixava ela nem sair na rua. Coitada! Mq- Uai? Falaram pra mim que ele tava melhorando. Tava mais calmo... Mc- Pior não tinha nem jeito, né? Mas pelo menos agora tá trabalhando pra prefeitura. Vi ele outro dia mesmo tapando os buracos que os trator fez na rua. Caiu o maior toró, mas ele ficou lá, trabalhando, com o olhar meio longe, longe... Já viram ele até pintando o quarto do pai dele. Viu? As pessoas mudam. Mq- Maricota. Nada me tira da cabeça que ele ficou assim por que, na verdade, gostava da Geralda, filha do Seu Quito. Depois do que aconteceu... Mc- O que aconteceu com a filha do Seu Quito???? Mq- Não tá sabendo??? Menina! Diz que ela um dia acordou cedo, pegou as coisinha dela e sumiu no mundo. Mc- Mentira!!!!! Mq- Verdade, sá! E Seu Quito comprava tudo pra ela, dava de tudo. Mc- Ah! Esta juventude ingrata! Mq- Disse ela pra minha filha uma vez que se sentia meio sozinha. Tadinho do Seu Quito. Tá gastando um dinheirão pra procurar a filha. Diz que até vendeu o armazém. Tá pobre, passando necessidade. Mc- Mesmo? Mq- Uai? Não sabia? Sabe o circo que tá no campinho? Mc- Sei! Mc- Pois é. Hoje a bilheteria vai toda pra ajudar seu Quito. Vai ter cavalo dançando valsa, Trampolim... Mq- O faquir vai estar? Mc- Aquele que fica falando uns trem complicado, de espaço entre as pessoas, de amor que ganha o mundo com aquela musiquinha que faz uuuunhheeeeeiiiiimmmm...ele? Cê gosta daquilo???? Mq- Eu até que não. Mas acho que meu marido gosta! E eu acompanho né? Ontem foi aniversário dele! Mc- Olha, gente!!! Dá meus parabéns. Quantos anos? Mq- 64 anos. Desde quando a gente casou ele me perguntava se o casamento iria durar assim. Perguntava se eu ia gostar dele quando ele ficasse careca, sem dente. E tamos aí. Afinal, eu também fiquei velha, né? Mc- Mas Você até que está conservada para quem tem 62. Dou no máximo uns 57! Mq- Não como você, né? Estou sabendo que depois que você enviuvou, tem gente gostando docê! Mc- Ah! É Seu Brito (SB). Ele até que é bão, mas meio entrão. Ê acredita que ele foi no cartório só pra descobrir meu nome de batismo? Mq- E qual é? Nem eu sei. Mc. Maria Rita de Santo Antão. E ele agora só me chama de Ritinha. É “Ritinha querida” pra lá, “Ritinha minha flor” pra cá, “Nada vai nos separar” pra acolá. Sei não, tenho medo! Mas pelos menos na frente dos outros ele respeita. Mq- Ué! Falando no capeta, olha ele chegando!!! SB- Bom dia! Bom dia! Bom Dia! Como vão? Como vai seu filho, Dona Maricota? E Seu marido? Como vai, Mariquinha? Mc- Vamos bem Seu Brito. E o Senhor? SB- Ah. Bem! Não tinha nada para fazer em casa, aí vim pra praça. Mc- É! Mas, olha que pena! O Maestro Pimenta já está despedindo. Acabou a apresentação. Tá agradecendo. SB- Pena. Vou continuar lendo o jornal em casa então. Hoje acordei, saí da cama e fui ler, mas tanta notícia triste que tentei ver um filme na TV. Era um filme de guerra da Inglaterra. Gostei só médio. Mc e Mq- Huuuummmm! (entediadas). ÓI!!!!!! ESPIA LÀ!!!!!! NA LINHA DO TREM!!! A MÁQUINA TÀ CORRENDO MEIO DEMAIIISSS!!! SB- Jesus. E não é os moços levando o piano da casa paroquial atravessando a linha? Mc- Solta esse piano aêêêêê! Todos na praça- AAAAAAAAAHHHHHHHH!!!!!!!!!! PAAAAAAAAMMMMMMMM. Ouviu-se uma grande som de piano. Os carregadores escaparam, mas o piano foi por brejo, deixando um acorde final, gigantesco! Fim
submitted by Llaguardia to escrita [link] [comments]


Do jeito de Deus (cover Gislaine e Mylena) FICA DO JEITO QUE VOCÊ ESTÁ !!! - YouTube Marília Mendonça & Maiara e Maraisa - Quero Você Do Jeito ... Do Jeito Que Você Deixou - YouTube Diapasão 'Do Jeito que você deixou' Legendado HD Gilliard - Do jeito que você deixou PK e Ludmilla - Do Jeito Que Tu Gosta - YouTube [Série] Acordes Sem Pestana - YouTube INICIANTE - Você NUNCA Vai Tocar Violão se Treinar os Acordes Desse Jeito

Interfone - (Só Pra Contrariar) - Acordes

  1. Do jeito de Deus (cover Gislaine e Mylena)
  2. FICA DO JEITO QUE VOCÊ ESTÁ !!! - YouTube
  3. Marília Mendonça & Maiara e Maraisa - Quero Você Do Jeito ...
  4. Do Jeito Que Você Deixou - YouTube
  5. Diapasão 'Do Jeito que você deixou' Legendado HD
  6. Gilliard - Do jeito que você deixou
  7. PK e Ludmilla - Do Jeito Que Tu Gosta - YouTube
  8. [Série] Acordes Sem Pestana - YouTube
  9. INICIANTE - Você NUNCA Vai Tocar Violão se Treinar os Acordes Desse Jeito
  10. VENHA DO JEITO QUE VOCÊ ESTÁ!!! - YouTube

A Série Acordes Sem Pestana tem 2 objetivos: 1) Ensinar o jeito MAIS FÁCIL de fazer todos acordes Maiores e menores sem pestana; e 2) Ensinar formas sem pest... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Também passo algumas sugestões de como praticar os acordes para ter melhores resultados! Confere aí se você está fazendo da forma errada, e comece ainda hoje a treinar do jeito certo para ter ... Provided to YouTube by Som Livre Do Jeito Que Você Deixou · Gilliard · César Augusto · Martinha 1984 ℗ 1984 Som Livre Released on: 1984-03-02 Auto-generated ... Fique aí ou muda logo pra ver se algo acontece diferente ! #PK #Ludmilla #DoJeitoQueTuGosta Ouça já imPKvel nas plataformas de streaming! Siga PK: Instagram: @PKFreestyle Twitter: @pkfreestyleiro Tiktok: @pkfreestyle... INSCREVA-SE NO MEU CANAL: http://bit.ly/MARILIAMENDONCAYOUTUBE PARA SHOWS (62) 3241-7163 / (62) 9 9186-2454 [email protected] [email protected] 50+ videos Play all Mix - Diapasão 'Do Jeito que você deixou' Legendado HD YouTube Marante-Diapasão - um beijo na boca,,, ( baú de recordações) - Duration: 4:23. A. soares 260,280 views Tem dias que você não quer mais acordar A noite não tem fim O dia não quer mais chegar Meu Deus o que vai ser de mim? É assim que você pensa todo dia É assim que você vive em agonia Não ... 50+ videos Play all Mix - Gilliard - Do jeito que você deixou YouTube; Do Jeito Que Você Deixou - Duration: 3:39. Gilliard - Topic 90,758 views. 3:39. GILLIARD ...